Últimas notícias

Os dez melhores singles dos The Cure (nº 10)

Seleção e textos: NUNO GALOPIM

Surgiram na segunda metade da década de 70 e editaram um primeiro single em 1978 e um álbum de estreia no ano seguinte… São mais de 40 anos de atividade, para revisitar em dez singles que fizeram história.

Emergiram num tempo de ebulição e assimilação de novas regras e possibilidades lançadas pelo punk. E entre os seus primeiros discos essa urgência é visível… Mas o tempo alimentou a obra dos The Cure com muitas outras referências e desafios. Entre ecos da literatura e visões de imagens pensadas com sons, as canções talharam um rumo que muito deve também à personalidade de Robert Smith, a voz e grande timoneiro de toda esta aventura.

Depois de uma etapa inicial vivida em clima pós-punk, a música dos The Cure entrou numa fase feita de desafios maiores, curiosamente conquistando nesse processo uma progressivamente mais vasta plateia de admiradores até chegar a um patamar de visibilidade mainstream sem que isso tenha condicionado opções ou aberto frentes de cedência.

Há uma tendência em associar os The Cure a uma certa negritude sombria que deles fez um nome muitas vezes associado ao rock gótico. Mas não faltando sombras – e o álbum “Disintegration” é dos discos mais assombrados de sempre – a verdade é que não faltou nunca cor à música dos The Cure, verdade que os telediscos, muitos deles do seu colaborador regular Tim Pope, foram traduzindo. E na hora de escolher dez singles marcantes da discografia dos The Cuure, fica aqui claro que há aqui cor, desafio e muitos sabores…

10º “Why Can’t I Be You” (1987)

O sucesso tinha começado a transformar a perceção global sobre os The Cure. Eram uma banda a viver já sob aclamação crítica e com seguidores desde muito cedo mas a partir de 1983 as suas canções começaram a chegar mais longe e a cada vez mais vastas plateias. E já com vários singles e álbuns editados, a compilação “Standing on a Beach” tinha consagrado esse estatuto global em 1986. O passo seguinte seria a edição de um álbum duplo que acentuaria mais ainda essa caminhada de conquista de atenções, com efeitos evidentes sobretudo no outro lado do Atlântico. “Kiss Me Kiss Me Kiss Me” é um disco aberto a várias influências, entre as quais as cores e sabores das tradições de metais do rhythm’n’blues que são refletidas no single de apresentação que representa uma das mais vincadas apostas dançáveis da obra dos The Cure.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: