Últimas notícias

Vale a pena reencontrar os primeiros discos de José Cid

Texto: NUNO GALOPIM

Editado em 1971 o primeiro EP de José Cid junta uma série de pistas que desenhariam caminhos futuros na sua obra. Um retrato crítico de Lisboa, um instrumental que adivinha sabores prog, ritmos tradicionais e temperos escutados nos mais recentes terrenos do rhythm and blues estão à espera de uma redescoberta.

José Cid era já um nome com obra feita no emergente universo pop/rock português quando, em inícios da década de 70, deu os seus primeiros passos em nome próprio. Já se tinha apresentado a solo no Festival da Canção de 1968 cantando “Balada Para D. Inês” porque as regras do concurso não previam a participação de bandas (tanto que o tema chegaria a disco num EP do Quarteto 1111). Mas em 1971, numa altura em que cumpria o serviço militar e mantinha ativo o Quarteto 1111, o músico apresentou com um conjunto de edições que desenhavam a vontade em alargar os espaços pelos quais a sua música poderia caminhar.

Com o álbum de estreia do Quarteto 1111 editado em 1970 (e votado ao silêncio pela censura, sem surpresa avessa às temáticas ali abordadas) José Cid apresenta então um magnífico primeiro álbum a solo – ao qual chama simplesmente “José Cid” – no qual são já evidentes os sinais de horizontes alargados a explorar nu alinhamento onde surge o belo “Volkswagen Blue”, de Gilberto Gil (que tinha passado por Lisboa a caminho do exílio em Londres).

No mesmo ano lançou ainda dois EPs com temas não incluídos no álbum. O primeiro deles, “Lisboa Perto e Longe” tem como tema principal a canção que lhe dá título e na qual se desenha um retrato crítico de uma Lisboa em confronto entre ecos da sua história e um presente cinzento. A presença da guitarra portuguesa, a voz que não se vergou aos cortes da censura (fala-se em “multidões silenciosas”) e um certo sarcasmo no último verso são marcas de uma canção que hoje parece algo esquecida no longo historial discográfico de José Cid mas que na verdade, como o resto do EP, traduz sinais de ideias que a obra seguinte continuaria a explorar.

Outro interessante sinal de ideias lançadas a prever passos futuros é o instrumental “Dida”, que continua os ambientes da canção de apertura mas junta ecos jazzy a imaginar um futuro progressivo.

Na face B do EP “Dona Feia” revela um gosto pela exploração das possibilidades da música tradicional, aqui claramente apontando os azimutes da curiosidade a Norte. A fechar o alinhamento “Zé Ninguém” revela a mais evidente ligação deste conjunto de gravações a terrenos rítmicos mais próximos da cultura pop/rock de então, sugerindo mesmo um interesse pelos caminhos do R&B.

Este EP, assim como os demais discos a solo que José Cid editou entre 1971 e 1974 correspondem a uma etapa que parece arredada do que o tempo definiu como o cânone dos seus grandes êxitos. Há aqui porém muitas pérolas (como esta) a pedir reencontros. É que, tal como outros discos desta sua etapa, este EP nunca teve edição em suporte digital.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: