Últimas notícias

‘Me & Earl & the Dying Girl’ vence Sundance 2015

O filme de Alfonso Gomez-Rejon venceu o Grande Prémio do Júri e também o Prémio do Público. Veja aqui a lista completa dos premiados nesta edição do festival de Sundance.

O filme Me & Earl & the Dying Girl, de Alfonso Gomez-Rejon foi o grande vencedor do prémio principal da edição deste ano do Festival de Sundance, que decorreu ao longo dos últimos dias na cidade de Park City, no Utah. O filme arrebatou também o Prémio do Público.

Fica aqui a premiação completa desta edição do festival:

Grande Prémio do Júri: Ficção – Me & Earl & the Dying Girl de Alfonso Gomez-Rejon
Realização: Ficção – Robert Eggers por The Witch
Direção de Fotografia: Ficção – Brandon Trost por The Diary of a Teenage Girl
Montagem: Ficção – Lee Haugen por DOPE
Prémio Waldo Salt (argumento) – Tim Talbott por The Stanford Prison Experiment
Prémio Especial do Júri para uma Visão em Colaboração: Ficção – Jennifer Phang e Jacqueline Kim por Advantageous

Grande Prémio do Júri: Documentário – The Wolfpac, de Crystal Moselle
Realização: Documentário – Matthew Heineman por Cartel Land
Direção de fotografia: Documentário – Matthew Heineman e Matt Porwoll por Cartel Land
Prémio Especial do Júri para Primeira Obra: Documentário – Lyric R. Cabral e David Felix Sutcliffe por (T)error
Prémio Especial Verité Filmmaking: Documentário – Western de Bill e Turner Ross
Prémio Especial do Júri pelo Impacte Social: Documentário – 3½ Minutes de Marc Silver

World Cinema: Ficção – Slow West de John Maclean
World Cinema Realização: Ficção – Alanté Kavaïté por The Summer of Sangailé
World Cinema Dir. Fotografia: Ficção – Germain McMicking por Partisan
World Cinema Prémio de Interpretação: Ficção – Regina Casé e Camila Márdila em The Second Mother
World Cinema Prémio Especial de Interpretação: Ficção – Jack Reynor em Glassland

World Cinema: Documentário – The Russian Woodpecker de Chad Gracia
World Cinema Realização: Documentário – Kim Longinotto por Dreamcatcher
World Cinema Montagem: Documentário – Jim Scott por How to Change the World
World Cinema Prémio Especial pelo Impacte: Documentário – Pervert Park de Frida e Lasse Barkfors
World Cinema Prémio Especial do Júri: Documentário – The Chinese Mayor de Hao Zhou

Prémio do Público: Ficção – Me & Earl & the Dying Girl de Alfonso Gomez-Rejon
Prémio do Público: Documentário – Meru de Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi
Prémio do Público World Cinema: Ficção – Umrika de Prashant Nair
Prémio do Público World Cinema: Documentário – Dark Horse de Louise Osmond
Prémio do Público Best of NEXT – James White de Josh Mond

Prémio do Júri para Curtas Metragens – World of Tomorrow de Don Hertzfeldt
Prémio do Júri para Curtas Metragens: Animação – Storm hits jacket de Paul Cabon
Prémio do Júri para Curtas Metragens: Internacional – Oh Lucy! de Atsuko Hirayanagi
Prémio do Júri para Curtas Metragens: Não ficção – The Face of Ukraine: Casting Oksana Baiul de Kitty Green
Prémio do Júri para Curtas Metragens: U.S. Fiction – SMILF de Frankie Shaw
Prémio do Júri para Curtas Metragens: Interpretação – Laure Calamy em Back Alley de Cécile Ducrocq
Prémio do Júri para Curtas Metragens: Poesia Visual – Object de Paulina Skibińska

Prémio Alfred P. Sloan – The Stanford Prison Experiment

A Máquina de Escrever não esteve por lá. Mas, à distância, revelou algumas das grandes estreias mundiais feitas durante esta edição do festival.

mistress america

Mistress America
(ficção)
de Noah Baumbach

O realizador norte-americano Noah Baumbach é já um “veterano” em Sundance. Há precisamente dez anos apresentou ali A Lula e a Baleia, que não só saiu do festival premiado como dele fez uma das referências do cinema desta última década. Em 2015 está de regresso com Mistress America, filme que coloca a personagem interpretada por Greta Gerwig – uma universitária – em tempo de descoberta de nova vida e outros horizontes depois de chegada a uma grande cidade.

Tangerine

Tangerine
(ficção)
de Sean Baker

Foi com apenas o recurso a três iPhone 5s que Sean Baker filmou aquele que é assim um novo ponto de vista sobre um dos muitos lados de Los Angeles. Tangerine é uma história que envolve prostituição e personagens transgénero, mas não esgota aí a sua atenção, mergulhando em vários submundos da cidade em busca de respostas sobre se um dos elementos de um casal foi ou não fiel. Conta quem já viu o filme que as imagens sugerem aqui um novo sentido de realismo, embora a dada altura a evolução da narrativa se faça até segundo formas algo convencionais.

Vale a pena ler a opinião já publicada no Guardian.

A Walk in The Woods

A Walk in the Woods

(ficção)
de Ken Kwapis

Dois atores veteranos são talvz a força maior de A Walk in The Woods, filme de Ken Kwapis que coloca dois velhos amigos numa caminhada pelo célebre trilho dos Apalaches. Robert Redford e Nick Nolte vestem a pele de dois antigos colegas de escola. Um deles é hoje escritor de literatura de viagens. Juntos reencontram-se para fazer o trilho, acabando por descobrir que há memórias que, por vezes, devem ser deixadas (e arrumadas) no passado.

End of the

The End of the Tour
(ficção)
de James Ponsoldt

Em 1996, pouco depois da publicação de Infinite Jest, e durante a digressão promocional que acompanhou o seu lançamento, o escritor David Foster Wallace concedeu, ao longo de cinco dias, uma entrevista a David Lipsky, para as páginas da Rolling Stone. Esses momentos fariam mais tarde a base de Although of Course You End Up Becoming Yourself: A Road Trip with David Foster Wallace, memória que Lipsky publicou em livro em 2010, dois anos após o suicídio do escritor. Essas mesmas memórias estão agora na base de The End of the Tour, filme de James Ponsoldt, com Jesse Eisenberg (que veste a pele do jornalista) e Jason Segel (que interpreta o escritor), que recordam o encontro entre ambos, de como, ao logo daqueles cinco dias, entre ambos se estabeleceu um relacionamento, notando não apenas o que dizem mas também o que deixam por dizer. No fim a entrevista acabou por não ser publicada e as fitas com as gravações das conversas encontraram o destino no fundo de uma gaveta

"What Happened Miss Simone?"

What Happened Miss Simone?
(Documentário)
de Liz Garbus

A protagonista é Nina Simone, uma das vozes maiores e mais admiradas da história do rhythm’n’blues. Os discos e, sobretudo, as suas performances em palco valeram-lhe o epíteto de “High Priestess of Soul” (a sumo-sacerdotisa da soul, em português). O seu papel como ícone negro, em clara luta pela igualdade dos direitos civis fê-la dividir tempo e atenções entre a música os combates políticos e sociais. O filme de Liz Garbus procura explorar os confrontos que a cantora viveu “armadilhada e torturada” ao ser vista como uma pianista com formação clássica e com rótulo jazzístico, mas também a mulher e cidadã que lutou pelos seus direitos, sem esquecer o exílio voluntário que viveu na Libéria e o tempo de solidão que passou em França.

1 Comment on ‘Me & Earl & the Dying Girl’ vence Sundance 2015

  1. “Por Aqui e Por Ali”: 4*

    “Por Aqui e Por Ali” tem uma história bastante interessante e encantadora, tem ainda belas paisagens e é um filme que nos aquece o coração.
    “A Walk in the Woods” é inspirado num livro e em factos verídicos e isso fez com que me interessasse e pesquisasse acerca do assunto, o que é uma mais-valia.

    Cumprimentos, Frederico Daniel.

    Liked by 1 person

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: