Últimas notícias

A fuga de Logan

Texto: NUNO CARVALHO

‘Wild Tigers I Have Known’, de Cam Archer, conta a história de um rapaz que conhece a deceção e a solidão de uma paixão impossível.

Cam Archer tinha 24 anos quando fez Wild Tigers I Have Known. Hoje tem 33 e apenas acrescentou à sua filmografia uma longa-metragem com Ellen Barkin e duas curtas. Mas, em 2007, quando circulou por numerosos festivais de cinema internacionais (passou também pelo Queer Lisboa), o filme reuniu uma considerável dose de aplausos (apesar de ser uma obra de espírito marcadamente underground). Tendo Gus van Sant como produtor executivo, Wild Tigers I Have Known foi na altura selecionado para o Festival de Sundance e venceu o Festival Gay e Lésbico de Milão. E, além dos ecos de Van Sant, nele podemos detetar outras influências, tais como as de Kenneth Anger, Gregg Araki, Todd Haynes ou David Lynch.

O filme é um mergulho na consciência de Logan (Malcolm Stumpf), um tímido e solitário rapaz de 13 anos tomado por uma paixão impossível. Logan vive com a mãe e tem em Joey (Max Paradise) o seu único amigo, um nerd obcecado por assuntos científicos que se empenha em fazer uma lista de “formas de ser cool” e que começa a afastar-se de Logan quando um dia este insiste em pôr batom para tirar uma fotografia. Quando, à saída de uma sessão com a psicóloga da escola, para falar sobre o facto de ter sido vítima de bullying, consegue entabular conversa com Rodeo (Patrick White), um rapaz bem-parecido e fisicamente mais maduro do que ele, a queda é fatal. Logan apaixona-se imediatamente por Rodeo, e, no seu desespero por se aproximar dele, cria um alter ego feminino que lhe telefona fazendo-se passar por uma admiradora, chamadas essas que vão ganhando uma crescente carga erótica.

Wild Tigers I Have Known é um conto com olhar de esteta sobre a solidão e a necessidade de um adolescente escapar do vazio do real que o rodeia através do sonho acordado e de uma imaginação cuja intensidade só tem paralelo na ebulição hormonal. Perante uma realidade frustrante e deprimente, Logan precisa de uma válvula de escape, de um ponto de fuga, e recolhe-se no seu mundo interior de fantasia, sublimando os seus desejos impossíveis e “castrados” por um ambiente que lhe é hostil através da sua fecunda imaginação. Tal como Arthur Rimbaud, seria caso para Logan dizer que “a música sábia falta ao nosso desejo”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: