Últimas notícias

Quem tem medo (da salvação) de Hedwig?

Texto: NUNO MIGUEL GONÇALVES, em Nova Iorque

O musical “Hedwig And The Angry Inch”, que revelou John Cameron Mitchell, tem nova vida em palco em Nova Iorque. E quem veste a pele da figura protagonista é agora o ator Darren Criss, já com créditos na Broadway.

Para o grande público, Hedwig and the Angry Inch, o musical que em 2014 ganhou um par dos prestigiados Tony Awards, era uma das novidades que emergia vitoriosa entre os espectáculos que ocupam um infindável número de teatros na zona da Broadway de Nova Iorque. Apenas um número reduzido de pessoas sabia que na realidade este êxito surpresa já ocupava um lugar de culto desde 1998, quando o actor/dramaturgo/cineasta John Cameron Mitchell se estreou no papel protagonista da peça.

Hedwig é uma talentosa mas menosprezada cantora transexual oriunda de Berlim Oriental antes da queda do muro. Depois de uma atribulada operação de mudança de sexo forçada pelo seu amante, um militar americano, fugiu para os Estados Unidos em busca de uma vida de sonho que nunca se materializou. A génese desta personagem deu-se durante a infância do próprio Cameron Mitchell, ele próprio filho de um general do exército, mudando recorrentemente de casa e país, tendo passado pela Alemanha.

O musical com hipnotizantes canções punk pop de Stephen Trask, esteve em cena Off-Broadway durante dois anos e, depois de 900 performances, conheceu  em 2001 uma adaptação para o grande ecrã pela mão do próprio John Cameron Mitchell, que lhe valeu a atenção do circuito de festivais de cinema independente e uma série de prémios, incluindo uma nomeação para um Globo de Ouro. No entanto só em 2014 e com o star power do ascendente Neil Patrick Harris é que o musical ganhou o destaque merecido na Broadway com um revival absolutamente explosivo e acutilante.

Aquando de uma primeira visita a Nova Iorque, que tem a capacidade devastadora de transformar a forma de nos vermos enquanto seres integrantes de uma sociedade marcada pela diferença, tive também a sorte de conhecer Hedwig. E conhecer Hedwig é ganhar outra perspectiva sobre como se deve definir identidade ou, simplesmente, como temos de deixar de o fazer. Existe apenas uma forma errada de vivermos a nossa vida: a que requer a repressão a essência primordial do que nos torna únicos. E Hedwig é ela própria, sem desculpas nem compromissos. Prefere morrer como é do que viver como quereriam que fosse.

Hedwig foi-me apresentada na pele de Darren Criss, um actor mais jovem do que todos os outros (entre eles Michael C.Hall de Dexter e Sete Palmos de Terra) que antes calçaram os seus tacões e usaram as suas fabulosas perucas. Mais conhecido enquanto Blaine da série Glee, Criss, já bem rodado nos palcos da Broadway, é uma das caras mais visíveis e frontais da aliança heterossexual na luta dos direitos LGBT. E a sua vitalidade, juventude e rebeldia trouxeram à tona um lado de Hedwig ainda mais irreverente, crasso e insolente, bem diferente da sensibilidade mais narcisista e frágil de John Cameron Mitchell.

Mas Hedwig não é uma personagem fictícia, é uma possessão angélica. É difícil ver alguém por detrás da maquilhagem e da ferocidade que devora o palco e o público, seja na forma como se pavoneia em palco e destrói a cenografia sem remorsos ou no modo como constrói a sua narrativa no intervalo das canções. E ambas casam-se de forma tão perfeita que não parecem existir individualmente. É impossível ouvir Sugar Daddy ou Wicked Little Town sem pensar nos momentos chave da metamorfose de Hansel, adolescente alemão que se tornou na força da natureza que é Hedwig.

E a viagem em que nos leva é perfeitamente estonteante. Se começa com um humor ácido e politicamente incorrecto a mostrar as garras afiadas com que se agarra desesperadamente à vida e à fama que nunca alcançou, acaba de forma totalmente traumatizante quando vemos Hedwig despir-se de todos os artifícios e aceitar a sua outra parte, tão bem simbolizada na mitologia da criação da sexualidade de The Origin of Love. Toda a sua vida tentou encontrar a metade que lhe faltava nos homens que conhecia, quando no fim, percebeu que essa dualidade vivia somente nela. E da tragicidade absolutamente desumana que marcou toda a sua vida, repleta de injustiças e azedume, surge das cinzas do fogo que ateou para se destruir e fazer brilhar uma nova Luz. Talvez Ela já não seja suficiente para salvar Hedwig mas está disponível para nos salvar a todos nós. Levantem as mãos e recebam-na. Jamais serão os mesmos.

Este texto foi originalmente publicado no blogue Escrever Gay. A Máquina de Escrever agradece ao autor a autorização para o republicar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: