Últimas notícias

Um ‘thriller’ na órbita de Júpiter

Texto: NUNO GALOPIM

Ofuscado pela memória de outros títulos daquele tempo, o sombrio “Outland: Atmosfera Zero”, de Peter Hyams, é uma das melhores memórias do cinema de ficção científica dos anos 80.

Um dos grandes exemplos da ficção científica made in UK em inícios dos anos 80 (quando, depois dos sucessos globais de Star Wars e Encontros Imediatos de Terceiro Grau, o género ganhou protagonismo maior no mapa das produções e lançamentos), o filme de Peter Hyams Outland (entre nós estreado como Outland – Atmosfera Zero) foi muito citado em vários textos críticos por alturas do magnífico Moon, a primeira longa-metragem de Duncan Jones que retomava, num quadro minimalista, ambientes e ideias que tinham aqui uma das duas referencias maiores (a outra sendo o mais antigo Silent Running, de Douglas Trumbull).

A sua reedição em Blu-ray recolocou no espectro visível uma obra que soube não só cruzar as linguagens da tradição do thriller policial com um contexto sci-fi, representando ainda uma expressão de modernidade no campo dos efeitos visuais (pela utilização pioneira do sistema introvision que permitia uma representação mais ‘material’ dos atores em confronto com pequenas maquetes). Podemos ainda acrescentar à balança “a favor” uma banda sonora essencialmente atonal e expressivamente inquietante assinada por Jerry Goldsmith (que trabalhara já com o realizador em Capricorn One). E, claro, a presença protagonista de Sean Connery (que interpreta o marshall que tem a cargo a segurança da distante estação mineira onde decorre a ação), podendo nós reconhecer que aqui dá dez a zero ao muito débil Moonraker (Lewis Gilbert, 1979), o flirt falhado de James Bond (então nas mãos de Roger Moore) com o universo da ficção científica.

Outland – Atmosfera Zero transporta-nos até um futuro (não especificado) no qual Io (umas das luas de Júpiter) acolhe uma operação mineira, que vive isolada de tudo e todos, salvo quando um shuttle ali passa de semana a semana. Recentemente colocado na estação, um marshall pouco dado a deixar passar ilegalidades por debaixo da mesa, nota estranheza numa série de acidentes fatais com mineiros que parecem ter perdido a noção da realidade antes de mergulharem em ações inevitavelmente suicidas. A possibilidade da presença entre os mineiros de uma droga que acelera o ritmo de trabalho (e a consequente produtividade), mas que acaba por ter consequências danosas para os sistemas nervosos centrais após alguns meses de consumo regular, entra no horizonte das suas preocupações. Mais ainda quando, comprovados traços da sua presença no sangue de uma das vítimas que consegue recolher antes do corpo ser ejetado no espaço, levanta a hipótese de serem os próprios responsáveis pela gestão da mina a assegurar a distribuição do químico.

Este texto foi originalmente publicado no Sound + Vision

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: