Últimas notícias

Os ares de São Francisco fazem bem a John Adams

Texto: NUNO GALOPIM

Três anos depois de um disco que lhes valeu um Grammy, o maestro Michael Tilson Thomas e a San Francisco Symphony Orchestra voltam a levar a música de John Adams a disco, desta vez com “Absolut Jest” e “Grand Pianola Music”.

O período habitualmente descrito como “minimalista” na obra de John Adams, que podemos localizar entre finais dos anos 70, com expressão maior (e final) na ópera Nixon in China (de 1987) assinalou um tempo de intensa ligação do compositor à San Francisco Symphony Orchestra que assegurou então, entre outras, as estreias de peças fulcrais desses tempos como Harmonium (1981) ou Harmonielehre (1985). Datam também dessa época primeiros contactos com o maestro Michael Tilson Thomas que, em 1983, assegurou a estreia mundial de um arranjo para cordas de Shaker Loops. Três décadas depois foi a John Adams que Tilson Thomas e a San Francisco Symphony (que o maestro dirige desde 1995) pediram uma nova obra para integrar o centenário da formação desta orquestra californiana. Surge assim Absolut Jest que agora, em conjunto com o “clássico” Grand Pianola Music (outra das peças maiores da fase minimalista) representam a mais recente edição em disco assegurada pela editora da própria San Francisco Symphony Orchestra, três anos depois de uma aclamada gravação de Harmonielehre e Short Ride in a Fast Machine, que valeu inclusivamente ao maestro e músicos um Grammy para Melhor Performance Orquestral.

Absolut Jest é a “novidade” nesta que representa a primeira gravação mundial desta obra orquestral estreada em 2012 e que depois fez estrada integrada no programa da digressão da orquestra que teve lugar pouco depois. Inspirada nos scherzos dos últimos quartetos de cordas de Beethoven, Absolut Jest representa uma reflexão contemporânea e claramente marcada pelos pontos de vista do compositor sobre ecos dessas memórias. Um pouco como Nyman fez com Mozart em Drowning By Numbers e In Re Don Giovanni ou Glass com Bowie nas sinfonias inspiradas nos álbuns Low e Heroes, Adams escuta e integra na sua música ecos da escrita de outros, refletindo sobre esse material musical mas sob o seu prisma. Neste caso escuta a música de Beethoven, promovendo em alguns instantes momentos em que essa matéria prima original quase parece irromper entre a escrita para orquestra e quarteto de cordas – neste caso concreto o St. Lawrence String Quartet -, como que se o passado que inspira se quisesse materializar entre o presente onde a nova criação está a acontecer.

Esta primeira gravação de Absolut Jest não ofusca em nada a peça que completa o alinhamento do disco. Originalmente estrada em 1982 (precisamente pela mesma orquestra), Grand Pianola Music é uma das mais interessantes obras da fase minimalista de Adams e tem aqui talvez a sua melhor gravação. Registada em disco em já várias ocasiões – por Ransom Wilson e o coletivo Solisti New York (EMI, 1984), pela London Sinfonietta (Nonesuch, 1994) e o Netherlands Wind Ensemble (Chandos, 1995) – Grand Pianola Music é um bom exemplo de como a paisagem e vivências de um americano no seu tempo foi determinante na construção de uma obra que ajudou a definir um dos espaços mais marcantes da história da música orquestral norte-americana. A ideia para Grand Pianola Music emergiu em plena auto-estrada, na qual o compositor seguia quando avistou duas limousines que se aproximaram e o passaram. O momento fê-lo imaginar que os dois longos carros se pudessem transformar em pianos com teclados gigantescos, convocando essa imagem a memória dos dias em que passava pelos corredores do conservatório ouvindo uma multidão de 20 ou mais pianos, em aula, a tocar em conjunto música de Chopin, de Beethoven ou Rachmaninov. Criada para pianos, vozes femininas, madeiras, metais e percussão, Grand Pianola Music merecerá, finalmente através desta interpretação, um merecido lugar de evidência na história musical de John Adams e do próprio minimalismo norte-americano.

Tal como no disco de 2012 estão aqui motivos mais do que suficientes para não só encontrarmos aqui um dos melhores registos de música clássica de 2015 como para maestro e orquestra vencerem novos prémios com a música de John Adams. Não é também por acaso que, cada vez mais, este é visto também como um dos compositores norte-americano mais representativos do nosso tempo.

“Absolut Jest”, de John Adams, em interpretação pela San Francisco Symphony Orchestra, juntamente com o St. Lawrence String Quartet, está disponível em CD em edição pela SFS Media. Esta gravação está também disponível em plataformas digitais para streaming e download.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: