Últimas notícias

Entre a pré-história dos Duran Duran

Texto: NUNO GALOPIM

Gravada em 1979, ainda antes da chegada de Simon Le Bon e de Andy Taylor, a primeira maqueta dos Duran Duran incluía uma primeira versão de “Girls on Film”. A velha maquete tem agora edição num EP.

O ano era o de 1979… A formação original, com Stephen Duffy como vocalista, tinha dado lugar a uma nova banda, longe ainda de mostrar o line up que lhes valeria o epíteto de fab five três anos depois quando as suas canções, discos e telediscos os levavam a um estatuto de glória planetária… Ao ouvir estas canções, porém, ninguém o imaginaria. Nem a história teria sido o que foi se o caminho tivesse seguido no sentido do que estas gravações nos mostram.

Os Duran Duran eram, em 1979, um quarteto que se apresentava, naquela que foi a primeira maqueta que gravaram, como sendo constituídos por Nick (o teclista, que ainda assinava Nick Bates, o seu nome real), Nigel (o guitarrista, também ainda usando o nome que surge no BI, e que hoje conhecemos como John Taylor, o baixista do grupo), Roger (o baterista, este sem novidades pelo caminho) e Fang (o vocalista, na verdade de nome Andy Wickett)… Registadas em dezembro de 1979, quatro canções documentavam o presente de uma banda que, num primeiro contacto, não parecia destacar-se muito da multidão que, na ressaca dos acontecimentos colocados em cena pela revolução punk, davam agora novos passos, a bordo da maré new wave. Ou pós-punk, como lhe quiserem chamar.
Pareciam uma banda relativamente banal, igual a tantas outras… Mas, escutando com atenção, notavam-se ali sinais de que algo podia estar latente e que, podia faltar apenas um ou outro elemento para que o que estivesse ainda toldado pudesse eventualmente emergir.

Escute-se sobretudo aqui See Me, Repeat Me, que não espanta ter sido escolhida como faixa de abertura da maquete. É a melhor canção que aqui está, animada por uma programação rítmica que sugere assimilação de heranças do disco e à qual falta apenas uma mais pungente relação entre o baixo e a bateria para desafiar a dança. É contudo nas linhas elegantes para teclas que descobrimos sinais da identidade dos Duran Duran, mostrando já ali Nick (Rhodes) algumas marcas da sua assinatura autoral. Se dissermos depois que a canção está na base de um processo de evolução que culminaria no tema-título do segundo álbum da banda, ou seja, Rio, fica tudo dito. Estava ali uma gema preciosa em potência. Latente.

O outro episódio significativo desta coleção de quatro maquetas dos Duran Duran de 1979 revela-se em Girls on Film. Sim, já com o título da canção que chegaria a disco em 1981, embora com uma letra completamente diferente e uma estrutura consideravelmente modificada. As teclas já desenham aqui a melodia do refrão e a guitarra já respira os apetites de escola funk que, sublinhada pela presença de novas marcas disco na secção rítmica, definem mais outra peça promissora. Porém aqui numa versão na qual só o refrão parece resultar em pleno. Não admira que tenha sido aí que houve menos mexidas…

A maquete inclui outros dois temas que o tempo deixou entretanto esquecer. Working The Steel, que abre com nova programação electrónica e com uma memória pop de outros tempos quando o vocalista canta “don’t throw your love away” (era o título de uma canção dos Searchers)… Mas segue depois por caminhos mais próximos dos que a geração indie de então promoveria, mostrando-se a voz como o elo mais fraco. O mesmo se pode dizer em Reincarnation, com teclas mais em sentido com o que os Ultravox fariam por essa altura.

Ao escutar, em 1979, uma maqueta como esta, um editor, um jornalista, um promotor de concertos, teria a certeza de que estava em mãos com uma banda atenta ao seu tempo e em clara sintonia com os movimentos e tendências ao seu redor, revelando os seus dotes mais visionários apenas no trabalho das teclas. A bem de todos (e de duas destas canções), felizmente a formação da banda continuou a viver episódios de mutação. A entrada de Andy Taylor para a guitarra (e consequente desvio de atenções de John para o baixo) e a troca de Andy Wickett por Simon Le Bon representaram a peça em falta. O que estava adormecido acordou. E, 14 meses depois desta maqueta ter sido gravada, o single Planet Earth mostrava como a música tinha evoluído seguindo as melhores sugestões do que aqui estava ainda escondido.

Este EP (que usa na capa um elemento gráfico desenhado por John Taylor para a capa da maqueta original) representa uma segunda incursão discográfica pelas memórias dos Duran Duran anteriores aos seus primeiros discos (editados em 1981). Lançado em 2003, o álbum Dark Circles, do projeto The Devils – nada mais do que Nick Rhodes e Stephen Duffy, respetivamente o teclista e vocalista da formação original – deixava-nos conhecer o que seria o som da banda em 1978… Numa das reedições de Duran Duran, o álbum de estreia, há já maquetes de 1980… A história vai-se conhecendo, assim, aos poucos.

Duran Duran
“Girls on Film 1979 Demo” EP
Edição em vinil e CD pela Cleopatra Records

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: