Últimas notícias

“Stranded”: a vida depois de Brian Eno

Texto: NUNO GALOPIM

Editado em novembro de 1973 o primeiro álbum dos Roxy Music gravado após a saída de Brian Eno mostra sinais de busca por formas com arestas mais polidas, embora mantenha afinidades na instrumentação.

A saída de Brian Eno tinha lançado o alarme e os cabeçalhos nos jornais e revistas que seguiam mais de perto a atividade pop/rock não deixaram de anunciar que o grupo podia ter terminado ali a sua carreira. Mas três meses depois da saída do esteta que ajudara a definir a visão art rock pela qual o grupo entrara em cena, os Roxy Music estavam de regresso a estúdio. Tendo assimilado ideias e soluções usadas durante a gravação do seu primeiro álbum a solo e trazendo a bordo o teclista Eddie Jobson, Bryan Ferry partilhou com Manzanera e MacKay dois episódios de escrita que, curiosamente, geraram os dois momentos mais inesquecíveis do alinhamento de um álbum que, para espanto geral, anos depois, numa entrevista, Brian Eno afirmou ser o seu preferido da obra dos Roxy Music posterior à sua saída do grupo.

Stranded é um disco consideravelmente diferente dos dois anteriores, apesar de refletir ainda algumas soluções tímbricas semelhantes, consequência sobretudo do leque instrumental usado. Mas a forma de pensar as canções era agora, como diriam os Monty Python, algo completamente diferente.

A mais evidente das diferenças revela-se no modo como o grupo parece procurar caminhos de pontaria mais afinada em busca da canção pop perfeita, de certa forma representando A Song For Europe a primeira etapa de um processo de procura que culminaria com o eureka encontrado após a reunião em finais dos anos 70 que se materializaria depois entre os álbuns Manifesto, Flesh & Blood e Avalon. Sob ecos do que representava o modelo da canção eurovisiva, naturalmente explorando ali tanto as afinidades como os contrastes, A Song For Europe, co-escrita com Andy MacKay tornar-se-ia num dos clássicos maiores da obra dos Roxy Music. A outra parceria na escrita, criada juntamente com Phil Manzanera, é Amazona, outro exemplo de um ensaio por um melodismo pop e uma pose teatral que Ferry vestiu ali na perfeição.

O alinhamento, que abre com o mais viçoso Street Life deixa logo ali claro que, apesar das afinidades sonoras com a instrumentação já conhecida nos discos anteriores do grupo, não havia ali o sentido de “loucura” e mesmo de perigo (no sentido de confronto face às normas vigentes) que habitava canções como Virginia Plain ou mesmo a mais recente Do The Strand. Há, de resto, ao longo de todo o alinhamento, sinais vários de uma vontade em moldar e polir arestas a canções que, se por um lado perdem na ousadia, ganham na expressão de uma composição mais refletida e numa arte final mais atenta ao detalhe. Uns novos Roxy Music nasciam assim com horizontes e ambições apontadas a outros patamares.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: