Últimas notícias

Discos, canções e concertos favoritos de 2016, por João Moço

Texto: JOÃO MOÇO

Quantos mais tops me passam pelos olhos e mais listas eu próprio crie para minha organização mental, mais me aproximo do que o crítico inglês Alex Macpherson defendeu na Fact quando há sensivelmente três anos foi inquirido a fazer a sua lista de melhores discos de sempre. Passo a citar: “There’s no point drawing a distinction between one’s ‘favourit’ albums and ‘the best’ albums; they’re one and the same. The claims to objectivity of a zillion Best Albums Ever lists are a fraud and an indictment of the intelligence of a critical music press; the canon they have passed down is a toad squatting on the ears of music fans, croaking out (straight, white, male) orthodoxy as though it’s rigorously correct. Burn that shit down. Lists aren’t worthless, though, because taste – an individual’s taste, shaped by who they are and where they came from and where they feel they’re at – is inherently interesting (unless you’re any of the current NME staff, clearly).”

Como o próprio deixa bem claro, a busca por uma espécie de consenso no que ao gosto e consequente análise crítica implicam é um aborrecimento tremendo. Ir ao encontro do cânone mais não faz do que limitar o gosto individual e perpetuar sentimentos de culpa que há muito deviam ter sido abolidos. Mas quando os tops são individuais abrem novas portas, possibilitam descobertas que vêm dum sítio honesto e não de uma imposição hierárquica e patriarcal.

É sob este prisma que continuo a fazer listas do que mais me move. Se faz sentido criar um corpo de conhecimento que se limite apenas ao que foi produzido entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de cada ano em vez de abrir hipóteses a novos espaços temporais que também eles têm razão de existir? Concedo que talvez não faça sentido e que o caminho seja o de uma maior pluralidade até neste ponto da equação. No entanto, decidi novamente organizar-me mentalmente no que à música diz respeito e criar as listas dos meus discos, canções e concertos favoritos do ano.

Discos:
The 1975 – I Like It When You Sleep, For You Are So Beautiful Yet So Unaware Of It
Miranda Lambert – The Weight of These Wings
Tweet – Charlene
Rae Sremmurd – SremmLife 2
King – We Are King
Lydia Loveless – Real
Dawn Richard – Redemption
Ngaiire – Blastoma
Kevin Gates – Islah
Calhau! – Ú

Canções:
The 1975 – Somebody Else
Ariana Grande – Into You
Rae Sremmurd – Black Beatles
DJ CiroFox – Moments
EDND – Fields Of Cabra
Miguel feat. Kacey Musgraves – Waves (Remix)
Britney Spears – If I’m Dancing
Tory Lanez – Say It
Calhau! – A Côrte D’Uruburu
Roman Flügel – 9 Years (DJ Koze Remix)

Concertos:
Bruce Springsteen no Camp Nou
Dawn Richard na Galeria Zé dos Bois
EDND no Lux / Noite Labareda
The 1975 no Passeio Marítimo de Algés
Pega Monstro no Palácio Pombal
Joe McPhee & Chris Corsano na Galeria Zé dos Bois
DJ Sprinkles no Lux
Ondness no Club Makossa
Anohni no Coliseu dos Recreios
Matmos no Teatro Maria Matos

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: