Últimas notícias

Dez canções de Lene Lovich

Seleção e textos: NUNO GALOPIM

A assinalar uma nova visita de Lene Lovich a palcos portugueses vamos lembrar aqui dez canções que marcaram um percurso que marcou a emergência de visões mais sombrias e cinematográficas da pop entre finais dos setentas e inícios dos oitentas.

Uma das mais marcantes figuras do pós-punk britânico, Lene Lovich teve breve mas expressiva carreira entre finais dos anos setenta e a primeira metade dos oitentas, editando então os álbuns Stateless (1978), Flex (1980) e No Man’s Land (1982), pelo caminho apresentando em 1981 o EP New Toy no qual estabelecia uma primeira parceria com Thomas Dolby (com quem voltaria a trabalhar mais tarde via Dolby’s Cube). Fez-se depois o silêncio, interrompido ocasionalmente mais tarde com dois novos discos de estúdio, March (1989) e Shadows and Dust (2005). E durante parte desse interregno chegaram-nos notícias de trabalhos no cinema, no teatro, em produções musicais de palco (entre as quais The Fall Of The House Of Usher, de Peter Hammil). Mas mais frequentes foram nesses hiatos as suas manifestações públicas sobre questões ligadas aos direitos dos animais, notável que sempre foi o seu ativismo em favor da associação PETA.

Mas sempre ficou a memória de uma postura artística irreverente, desafiante, canções onde a intensidade punk encarnava numa lógica pop que não escondia heranças clássicas de 60, e uma frequente afirmação de gostos pelo bizarro e diferente (afinal, chegou a fazer uma peregrinação para conhecer Salvador Dali), com frequente travo de humor negro. Lene Lovich é por vezes considerada de forma equívoca como “one hit wonder” por ter somado apenas um sucesso de grande amplitude com o single Lucky Number, em 1979. Mas a sua carreira não se esgotou nesse single e o álbum Flex, de 1980, é o seu melhor disco.

Mais recentemente voltou a juntar velhos parceiros e novos músicos para, através da Lene Lovich Band viver uma nova etapa de maior regularidade entre os palcos, não havendo ainda sinais (mas sendo certa a vontade) de criar um novo disco. Depois de uma muito aplaudida passagem por Leiria em 2015, regressou este sábado a Portugal para um concerto no Cineteatro Municipal D. João V na Damaia.

Em jeito de revisão da matéria dada, aqui ficam dez canções pelas quais podemos evocar momentos significativos da carreira de Lene Lovich.

“I Think We’re Alone Now”
(1978)

Era com esta canção que os responsáveis da Stiff Records pensavam que Lene Lovich se deveria apresentar. E de facto assim aconteceu, surgindo o tema no lado A do single de estreia, assim como marcando presença no alinhamento do álbum de estreia Stateless. Mas esta versão de um original de 1967 de Ritchie Cordell então gravado por Tommy James and the Shondells acabou por ser ultrapassada em entusiasmo pelo lado B do mesmo single… Lucky Number era o tema… E depois fez-se história. Nove anos depois da versão de Lene Lovich esta canção teria nova vida num single (de grande sucesso) de Tiffany.

“Lucky Number”
(1979)

Apresentado originalmente como lado B do single de estreia de Lene Lovich, Lucky Number surgiu em janeiro de 1979 num novo 45 rotações, desta vez ocupando o lado A, estatuto merecido pelo impacte que começava a gerar entre os temas do alinhamento do álbum Stateless, entretanto editado. O single não só mereceu opiniões favoráveis na crítica como se transformou num sucesso inesperado, atingindo o número 3 no Reino Unido, transformando-se depois num clássico da “new wave”. O refrão, feito do diálogo entre a guitarra e os gritos agudos de Lene Lovich fazia do tema algo de inesperado e único. Lucky Number ajudaria a definir a assinatura autoral do canto de Lene Lovich.

“Say When”
(1979)

Este foi o terceiro single extraído do alinhamento do álbum Stateless e o seu impacte refletiu claramente a presença (recente) do efeito do sucesso enorme inesperadamente obtido por Lucky Number. O single chegou ao Top 20 no Reino Unido, feito que não seria alcançado por mais nenhum da obra posterior de Lene Lovich. Say When é um dos temas de pulsação rítmica mais intensa entre as canções do alinhamento de Stateless e usa com algum protagonismo o trabalho com sintetizadores que, desde o início, marca a obra da cantora. Editado já em 1979, o single inclui no lado B o tema One Lonely Heart. O máxi acrescentava ainda o também inédito Big Bird.

“Bird Song”
(1979)

Editado em finais de 1979 este era então o primeiro tema revelado do alinhamento daquele que, meses depois, seria o segundo álbum de Lene Lovich. Cenicamente mais elaborada do que as canções de Stateless, Bird Song aproveitava de forma mais cinematográfica as capacidades teatrais da voz de Lene Lovich, sugerindo o arranjo uma dimensão assombrada que lhe valeu o estabelecimento de possíveis afinidades para com o universo “gótico”. Formalmente a canção procurava assimilar a presença de novas potencialidades dos emergentes sintetizadores na criação dessa ideia de fundo cénico, traduzindo a canção um esforço de continuação de busca de novos caminhos para a canção pop de alma mais sombria num quadro new wave. O tema não repetiu o sucesso comercial das canções do álbum de estreia mas com o tempo transformou-se numa peça central da sua discografia. O teledisco procura vincar as sugestões de flirt com o imaginário visual gótico para o qual a canção é, de facto, certeira banda sonora.

“Angels”
(1980)

Depois de Bird Song, que serviu de aperitivo à apresentação do álbum Flex, Angels correspondeu ao segundo single extraído do seu alinhamento. É o tema mais intenso e potencialmente festivo do alinhamento do álbum, tendo surgido acompanhado por um teledisco sombrio e noturno no qual, tal como no anterior, há pontuais referências à imagem com a qual Lene Lovich se apresentava na capa do álbum. O single, que teve edição portuguesa, não repetiu patamares de sucesso dos anteriores. No lado B era apresentado o inédito The Fly.

“What Will I Do Without You”
(1980)

Depois de Bird Song e de Angels o terceiro single extraído do álbum Flex apresentou o tema What Will I Do Without You, o segundo do alinhamento do LP. O single revelava uma versão nova do tema, que chamou atenções e valeu a Lene Lovich mais uma entrada na tabela dos singles mais vendidos no Reino Unido, embora com uma performance relativamente discreta. Foi com esta canção que a cantora abriu o recente concerto no Cineteatro D. João V, na Damaia.

“New Toy”
(1981)

Elemento da banda que então acompanhava Lene Lovich na estrada, o teclista Thomas Dolby começava então a dar os primeiros passos como músico a solo quando se juntou à cantora com quem partilhava o palco para criar um novo tema que acabou por ser editado como single num ano que separou os lançamentos de Flex e No Man’s Land. New Toy aprofundou então mais ainda a presença dos sintetizadores na música de Lene Lovich, abrindo caminhos que o álbum seguinte exploraria. O single conheceu maior sucesso do que algumas das canções extraídas de Flex e chegou a gerar a edição de um EP nos Estados Unidos.


“It’s You, Only You (Mein Schmerz)”

(1982)

Apesar de pronto para edição algum tempo antes, o terceiro álbum de Lene Lovich – No Man’s Land – surgiu em novembro de 1982, sendo apresentado por esta canção que então foi editada em single, chamando atenções mas sem recuperar os patamares de popularidade dos singles de finais dos anos 70. De produção mais polida a canção abre portas à descoberta de um álbum no qual os sintetizadores teriam um papel ainda mais presente do que nos dois discos anteriores. O tema atingiu na altura o número 25 na tabela de música de dança da Billboard.

“Blue Hotel”
(1983)

O segundo single extraído do álbum No Man’s Land representa, além de New Toy (de 1981) um dos mais evidentes mergulhos da música de Lene Lovich pelas possibilidades levantadas pelos sintetizadores. E assinala também uma das suas mais claras aproximações aos registos da canção pop. O teledisco, rodado entre Nova Iorque e Washington DC, usa algumas das emergentes ferramentas de manipulação de imagem em vídeo, sugerindo por vezes ambientes de ficção-científica. Há entre as imagens alguns ecos diretos do que vemos na capa do álbum.

“Maria”
(1983)

O relativo desinteresse gerado pelo terceiro álbum de Lene Lovich revelou-se não só em textos críticos menos entusiasmados como num impacte bem mais ténue no mercado face ao que havia sido a carreira dos dois discos anteriores. Se muitos territórios deixaram a vida de No Man’s Land com apenas um ou dois singles, houve mesmo assim lugares onde um terceiro single foi extraído do álbum. Maria surgiu assim em edições em Espanha, Itália e Austrália, em cada lançamento com capa distinta e um tema diferente escolhido para o lado B. Tema pop, dominado pelas eletrónicas, não gerou em nenhum lugar um impacte maior.

Anúncios

1 Comment on Dez canções de Lene Lovich

  1. 🙌🏻🙌🏻

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: