Últimas notícias

Uma nova intimidade em Luísa Sobral

Texto: GONÇALO COTA

Luísa Sobral apresentou ontem “Luísa” no Teatro Tivoli em Lisboa, segunda paragem de uma longa digressão nacional. O seu quarto álbum, gravado em Los Angeles, conta uma clarividência não sentida anteriormente, promovida também pela produção de Joe Henry.

Os candeeiros dispuseram-se pelo palco como se este fosse incontestavelmente um espaço de intimidade: à medida que cada um dos músicos se sentava, num ritmo bastante coreografado, acendiam-se e encandeavam-lhes as faces e os instrumentos que iriam tocar. A menina de dezasseis da primeira edição dos Ídolos, que percorre o palco, apresenta uma ternura na flor da maternidade e um amadurecimento que lhe assenta tão bem como a camisa que pediu especialmente à mãe para a ocasião.

As novas músicas não destoam da plasticidade de sonoridades antigas, continuando-lhe a caber na voz baladas cândidas ou composições de jazz mais orquestradas – o controlo das particularidades vocais que ostenta permite-lhe navegar sem muito esforço na versatilidade do reportório. Não esquece de nos dizer que João Monge lhe compôs duas das poucas canções com letras em português Paspalhão e Jardim Roma, recuperando a essência de ambiências de dias de ainda maior juventude.

Os temas em inglês não fazem esquecer os tempos em que estudava música em solo americano, com destaque para Janie e My Man, que se tornou o single principal, ou para reinterpretação de And So It Goes de Billy Joel. Stormy Weather foi o ponto alto da noite, cantado em dueto com o irmão, Salvador Sobral, que com o olhar embevecido de quem assume sem vergonhas, mas com o receio do palco de quem o conhece há pouco, de que não poderia estar mais orgulhoso. Num segundo dueto, substituiu também a crueza voz de António Azambujo em Inês por um timbre mais delicada, conseguindo a melhor versão da música que ouvi.

Em despedida, toca-nos os singles dos álbuns anteriores. Xico (que defende “de Espanha nem bom vento nem bom casamento”) e João, bem como a canção de embalar que escreveu para o pequeno José, Para Ti. Toma-nos numa narrativa propositada onde reconstrói a sua nova intimidade pessoal, sendo que a família e a maternidade são os eixos centrais para compreender como quer Luísa Sobral que olhemos para ela.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: