Últimas notícias

Língua e voz de mãe

Texto: DANIEL BARRADAS

A experiência de um nascimento precoce deu à norueguesa Rebekka Karijord a inspiração para um álbum que reflecte sobre a fragilidade da existência e a inesgotável força materna.

De entre as pérolas musicais escandinavas, um dos nomes injustamente menos conhecido fora destas terras é o da norueguesa Rebekka Karijord. Embora com afinidades com Ane Brun, pelo facto de ambas serem norueguesas residentes na Suécia e gerirem as suas próprias editoras, se aproximarem no timbre vocal e nalguns momentos de composição, o facto é que Karijord tem tido uma carreira bem mais discreta fora de portas do que a sua conterrânea. Mas talvez o lançamento do seu sexto álbum seja agora a altura ideal para colmatar essa falha.

Mother tongue sucede a We become ourselves de 2013 e os quatro anos que ficaram pelo meio fazem toda a diferença. Se We become ourselves já tinha sido uma excelente obra, todo o trabalho de peças orquestrais para teatro e filme que Karijord desenvolveu entretanto revelam agora o seu impacto.

Mother tongue abre com uma versão vocal de Morula, uma das peças compiladas em Music for film and theater (2014), e é o perfeito exemplo de como uma composição originalmente electrónica ganha outra carga emocional quando interpretada acapella. Os instrumentos surgem pouco depois, usados para sublinhar emoções e criar ambientes. É o perfeito cartão de visita para um álbum feito de coração na mão e emoção crua na voz, mas solidamente apoiado na habilidade de muitos anos de composição e arranjos orquestrais.

Mother tongue foi escrito ao redor do nascimento prematuro da primeira filha de Karijord e ela transpõe para cada canção pequenas histórias da sua experiência pré e pós-parto. Uma das mais incríveis talvez seja Six careful hands em que, numa canção de embalar, ela descreve à sua filha a experiência de a poder tocar pela primeira vez:

“They lift you to my skin,
they touch your breathing tubes,
it takes six careful hands
out of your plastic womb…”

No entanto, o álbum está bem longe de se render ao facilitismo emocional e Karijord, para além de explorar poeticamente a sua experiência e reflectir sobre ela, faz também um excelente trabalho na exploração do formato canção e nas texturas de arranjos e orquestrações.

A sua voz entra em metamorfoses que evocam ecos de outras cantoras, seja a já nomeada Ane Brun, ou também Sinead O’Connor, Enya ou Jenny Wilson. Karijord consegue conjurar na sua voz todo um universo feminino, que pode ir da ternura de uma mãe protectora à coragem de uma amazona.

Mausoleum, interpretado por um coro feminino, encerra com chave de ouro um album coeso e relevante do princípio ao fim, capaz de nos levar numa viagem sonora por uma paisagem íntima mas com ressonâncias universais.

“Mother Tongue”, de Rebekka Karijord, é uma edição da Control Freak Kitten Records ★★★★

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: