Últimas notícias

Para ouvir o cinema de Max Richter

Texto: NUNO GALOPIM

Uma antologia junta excertos da música que o compositor Max Richter assinou para seis filmes estreados entre 2008 e 2014, entre os quais se contam as suas duas colaborações com Ari Folman.

Sendo um dos raros músicos da ECM que trabalha ele mesmo a produção, e sendo frequente vê-lo a tocar todos os instrumentos nos discos que grava, Apesar do trabalho reconhecido por obras mais recentes, desde a sua reinvenção d’As Quatro Estações de Vivaldi ao monumental Sleep, sem esquecer o belíssimo Three Worlds: Music From Woolf Works editado já este ano pela Deutsche Grammophon, que faz já de Max Richter um dos compositores mais bem sucedeidos da sua geração, o cinema não desapareceu dos seus horizontes profissionais. Afinal, e tal como antes o fizeram nomes como Dmitri Shostakovich ou Bernard Herrmann e, ainda o fazem figuras como Philip Glass e Michael Nyman, a criação de música para imagens em movimento faz parte do todo que é a obra de um compositor que habita a idade do cinema.

Tendo já editadas algumas das bandas sonoras que assinou, Max Richter vê agora ser lançada uma primeira antologia que recolhe elementos de algumas delas, o conjunto sublinhando a visão de um músico que concilia heranças orquestrais do romantismo com figuras colhidas na música eletrónica e, naturalmente, uma capacidade em adaptar a composição às necessidades narrativas e cénicas de cada filme para o qual é chamado a trabalhar.

Out of The Dark Room (que tem, é bem verdade, uma capa horrenda), junta excertos da música que assinou para A Valsa com Bashir (de Ari Folman, 2008), O Seu Nome era Sarah (de Gilles Paquet-Brenner, 2010), O Sonho de Wadja (de Haifaa Al-Mansour, 2012), Desligados (de Henry Alex Rubin, 2012), O Congresso (de Ari Folman, 2012) e Testemunho de Juventude (de James Kent, 2014). Ficam de fora alguns trabalhos de composição, como o da música para o magnífico Lore (2012), de Cate Shortland ou Last Days On Mars (2013) de Ruari Robinson, e neste último a música era dos poucos ingredientes do filme que vale a pena reter… Mas quem sabe há um volume dois pela frente, para que se vá documentando a par e passo a obra para cinema de um dos compositores mais ativos do nosso tempo.

“Out of The Dark Room”, de Max Richter, está disponível em 4LP, 2CD e também nas plataformas digitais, em edição pela Milan.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: