Últimas notícias

“Plectrumelectrum”: um exercício de estilo em terreno rock’n’roll

Texto: NUNO GALOPIM

Editado no mesmo dia em que surgia “The Art Official Age”, o álbum que Prince apresentava em conjunto com as 3rdeyegirl revelava uma incursão pelos terrenos mais clássicos do rock’n’roll.

Além da multidão de nomes pela qual se apresentou na segunda metade dos anos 90 (e que na verdade gerou mais confusão e dispersão de atenções do que uma real contribuição a uma história artística, a discografia de Prince inclui inúmeras colaborações e parcerias. Com a New Power Generation chegou mesmo a gravar três álbuns nos quais diluiu a sua presença, apresentando-os sobre a designação da banda apesar de, em 1998, ser ele mesmo quem surge na capa de Newpower Soul

Com as 3rdeyegirl, que o acompanharam em palco depois de 2014, registou também um álbum que editou contudo como uma parceria assumida, apesentando-o como um disco produzido, composto e interpretado sob o nome comum Prince & 3rdeyegirl… E com a peculiaridade de Plectrumelectrum (assim se chama o álbum) ter sido editado a 16 de setembro de 2014, ou seja, o mesmo dia em que ele mesmo, a solo, lançava The Art Official Age… E o que mais tinham estes doistru discos em comum? Assinalavam um reencontro editorial com a Warner, a editora da qual Prince se afastara sob tão conturbado processo nos anos 90.

Plectrumelectrum é um disco diferente não apenas do outro álbum que Prince editava no mesmo dia como representa também uma proposta esteticamente bem distinta de todas as suas criações dos últimos anos: é um álbum de rock!

Juntamente com Hannah Welton (bateria e voz), Donna Grantis (guitarra e voz) e Ida Kristine Nielsen (baixo e voz), Prince apresenta aqui um disco que, se por um lado está longe de ser dos mais imaginativos da sua carreira, é contudo um dos mais acessíveis e diretos da sua obra no século XXI. Apesar de uma ou outra breve jam, o alinhamento vive de canções bem estruturadas, de formas claras e traçadas numa linguagem capaz de reativar relacionamentos com aqueles que, sobretudo nos oitentas, chegaram à música de Prince não pelo lado do funk nem da soul, mas pela sua costela rock’n’roll. E na verdade não há na discografia de Prince um single tão ostensivamente centrado numa lógica de abordagem “clássica” às linguagens do rock como PretzelBodyLogic, o segundo extraído do alinhamento deste álbum.

Apesar de claramente focado nesse sentido, Plectrumelectrum não deixa contudo de acolher alguns sinais de contaminação de outras genéticas naturais na música de Prince. Stopthistrain cumpre a representação clássica do espaço da balada r&b… E Boytrouble junta elementos funk e até mesmo um episódio de rap ao alinhamento.

Mais um exercício de estilo do que uma grande ideia criativa, Plectrumelectrum cativou atenções pelo facto de ter surgido num momento de reencontro de Prince com a Warner. Mas face a The Art Official Age, editado no mesmo dia, mostrava-se como o elo mais fraco desse momento. O seu impacte mais discreto no mercado foi, de resto, expressão desta realidade.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: