Últimas notícias

“Ultra”: Sinais de uma crise ultra… passada

Texto: NUNO GALOPIM

Editado em 1997 “Ultra” representou um momento de renascimento do grupo que assim mostrava que sobrevivia a momentos difíceis e à saída de Alan Wilder. Tim Simenon, dos Bomb The Bass, assegurou a produção.

Os anos 90 foram, para os Depeche Mode, um período de profundas transformações e de verdadeiro desafio à sobrevivência. Da quase fatal overdose sofrida pelo vocalista Dave Gahan à saída de Alan Wilder – que optou por concentrar o seu tempo no projeto pessoal Recoil – os anos que se seguiram ao final da Devotional Tour quase sugeriam que um fim poderia estar na linha do horizonte. A vontade em continuar manteve o projeto vivo, embora reduzido a trio. Ao mesmo trio que gravara A Brokem Frame, o disco de 1982 que obrigara Martin L. Gore a tomar as rédeas da composição após a saída de Vince Clarke em 1981. Este era, contudo, um trio com vivências entretanto acumuladas. Pessoais e musicais. E na hora de regressarem a estúdio não só as somaram entre si como entenderam que, dada a ausência do pensador da sonoridade e do mais meticuloso processo de gravação e moldagem das canções, era chegada a hora de chamar alguém mais ao processo de produção do novo disco. Chamaram Tim Simenon. E chamaram bem.

Mentor do projeto Bomb The Bass – um dos grupos nascidos do boom que a house vivera no Reino Unido na segunda metade da década de 80 – e entretanto com créditos na produção para terceiros já confirmados no álbum Adam’N’Eve de Gavin Friday e remisturas para os Massive Attack ou David Bowie, Tim Simenon levou a estúdio novos horizontes de possibilidades. As aulas de canto que Dave Gahan entretanto tirara e os desafios que Martin L. Gore ensaiou numa procura de caminhos que traduzissem heranças da música antes feita pela banda mas que desenhassem também novas caminhadas, juntaram-se num dos momentos mais inspirados que os Depeche Mode viveram depois dos oitentas (nos quais gravaram, mesmo assim, os mais marcantes dos seus discos).

Ultra é um disco que mantém um certo característico negrume bem intacto, mas que abre festas de luminosidade. E se Barrel of a Gun junta à discografia um herdeiro direto do que I Feel You revelara anos antes e Freestate mantém firme uma vontade em assimilar o trabalho das guitarras segundo genéticas herdadas dos blues, já temas como Sister of Night, The Bottom Line e o superlativo Home (que concilia uma visão orquestral com a incorporação de uma arquitetura de batidas bem atual) sublinham que os desafios foram levados a bom termo. Tal como o fez It’s No Good, canção que, mesmo com soluções de composição distintas acaba por se mostrar como uma sequência natural do cânone central que a identidade da banda foi definindo, e com valor acrescentado nas novas qualidades interpretativas entretanto descobertas pelo vocalista. The Love Thieves explora novas qualidades no detalhe da cenografia. Já Jazz Thieves sugere abertura de caminhos a uma dimensão mais cinematográfica, muitas vezes outrora explorada em lados B, mas desta feita inteligentemente incorporada no alinhamento de um álbum… Deu então que pensar sobre o que faria Martin L. Gore se um dia fosse chamado para trabalhar em cinema. Quem sabe, um dia…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: