Últimas notícias

Nas periferias do silêncio

Texto: NUNO GALOPIM

Após um período de silêncio o regresso aos discos de Ryuichi Sakamoto fez-se este ano com o sublime “Async”. Agora músicos como Andy Stott, Fennesz ou Arca estão a apresentar olhares seus sobre estas mesmas composições…

Ao cabo de oito anos de silêncio, habitados na verdade por uma batalha clínica contra um tumor na garganta, Ryuichi Sakamoto regressou em 2017 aos discos com Async uma obra-prima que propõe sugestões que habitam as periferias… do silêncio. Figura de marcante presença na história da música nos últimos quarenta anos, Sakamoto foi um dos pioneiros da aventura pop eletrónica quando militava na Yellow Magic Orchestra. Ao lado de Iggy Pop ou Thomas Dolby experimentou outros flirts com a pop. Mas foi com David Sylvian que aceitou fazer viagens que começaram perto da pop e rumaram para além das fronteiras dos géneros, num conjunto de ensaios que, somados com os trabalhos para cinema (e Feliz Natal Mr Lawrence, de Nagisa Oshima, não podia ter sido melhor experiência por esses dias de novos desafios) e os discos que foi editando em nome próprio (Beauty, de 1990 é pérola maior a ter em conta na busca de uma síntese das ideias… pop), o projetaram para outros horizontes. É verdade que em experiências mais recentes, ao lado de figuras como Christian Fennez ou Alva Noto, voltou a mostrar como esse fulgor de explorador não escapara ao seu mapa de desafios. Mas foi agora, em Async, que assinou a peça que mais bem acrescenta a certeza de ter encontrado novos rumos ao seu destino.

Há algo de curioso em comum entre este disco – que podemos descrever como “ambient” – e um outro que, em meados dos anos 70, levou Brian Eno ao encontro desta mesma ideia: o silêncio em tempo de convalescença. Numa cama de hospital Eno escutou o que antes nunca ouvira, descobrindo nas periferias do quase nada o tudo que depois resolveu explorar. Também Async surge depois de um tempo habitado por silêncios. E entre o piano e os acontecimentos manipulados, é de silêncios que vivem os instantes que fazem a filigrana de acontecimentos que Sakamoto desenha neste seu magnífico disco de regresso.

Agora, meses volvidos sobre a edição de Async, há um segundo capítulo a juntar à sua história. Trata-se de Async – Remodels, um álbum de “remisturas” e “revisitações” que, através de intervenções de nomes como os de Andy Stott, Johánn Johansson, Arca, Oneothrix Point Never ou velhos colaboradores como Alva Noto ou Fennesz, mergulham mais ainda, e por outros olhares, sobre este mesmo universo. Há nestas abordagens tanto de ensaio e ousadia como de respeito por um veterano que os mais novos estetas aqui chamados assim aproveitam para homenagear “metendo a mão na massa”. Aos poucos estas “remisturas” têm vindo a ser lançadas online, revelando novas dimensões possíveis entre os espaços que Sakamoto lançou entre as composições de Async. Vale a pena escutar… E deixo uma palavra apenas: maravilhoso!

“Async”, de Ryuichi Sakamoto, está disponível em 2LP, CD e nas plataformas digitais numa edição da Milan ★★★★★

“Async – Remodels”, de Ryuichi Sakamoto e vários colaboradores, está para já a surgir, faixa a faixa, em plataformas digitais. Uma versão em suporte físico está agendada para fevereiro de 2018.



Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: