Últimas notícias

O quarto poder

Texto: NUNO GALOPIM

Steven Spielberg filma a história da revelação dos ‘Pentagon Papers’ num filme com claras ressonâncias com a América do presente e, em concreto, a relação da atual Casa Branca com o jornalismo. Num momento em que se ataca a imprensa clamando “fake news”, este urgente “The Post” deixa claro porque é fundamental que não deixe de haver bom jornalismo.

Há um momento (e isto não é fazer spoiler porque a história é verídica e conhecida) em que, tendo o caso sido resolvido em favor dos jornais e da liberdade de imprensa, alguém nota que o jornalismo serve os governados e não os governantes. Se em outros instantes de todo o filme não fossem óbvias as ressonâncias com o presente, naquele instante o que não deixa de ser uma representação histórica ganha voz clara no momento em que vivemos. O quarto poder é fundamental. E quando o poder usa a expressão “fake news” a torto e a direito um filme como The Post serve precisamente para lembrar que é da imprensa que pode chegar a verdade. E no fim vemos, afinal, onde estava o “fake” no meio de tudo isto.

The Post é uma cuidada e irrepreensível recriação do “caso” da divulgação dos chamados “Pentagon Papers”, um relatório sobre o envolvimento militar norte-americano depois da II Guerra Mundial, que cruzava as administrações de Truman, Eisehnower, Kennedy e Johnsson e rebentava, ao ser revelado, nas mãos de Nixon. Mais do que um simples filme sobre confrontos entre o jornalismo e política, The Post dá conta de como as distâncias por vezes são curtas e os dois lados têm afinal ligações e afinidades que, contudo, podem não impedir que a missão de relatar a verdade (que cabe ao jornalismo) se sobreponha a laços que podem vir de trás… Afinal, e no caso desta história centrada na redação do Washington Post, era tudo gente da mesma cidade…



É evidente que foi a urgência de agir perante um momento em que os EUA se vêem sobre uma administração que toma a imprensa como “o” inimigo que levou Steven Spielberg a lançar-se sobre The Post, ao mesmo tempo que avançava a criação de Ready Player One, um outro filme seu, certamente completamente diferente, que não tarda nada estará aí… De resto, os planos em que nos mostra a figura de Nixon, sempre através de uma janela da Sala Oval, sempre de noite, sempre ao telefone, ordenando ora o ataque aos jornais (o primeiro feito ao New York Times) ora o bloqueio dos jornalistas (e fotógrafos) do Washington Post no acesso à Casa Branca, em jeito de “castigo”, não deixam dúvidas sobre a ponte pretendida com o presente inquilino daquele mesmo espaço.

Claramente contextualizado na apresentação dos acontecimentos que precedem a trama e claro na sua exposição, atento ao detalhe (a máquina de escrever, os caracteres em chumbo a fazer uma primeira página, o edifício do jornal a tremer quando a rotativa arranca), The Post define entre o par Meryl Streep (a proprietária do jornal) e Tom Hanks (o diretor) a linha mestra de um subtexto que acompanha a trama, com eles levando-nos a debater (como espectadores) as relações entre o poder e a imprensa, assim como entre o papel dos jornalistas e a administração dos jornais. Um filme para todos e urgente. Para que se entenda porque é fundamental que não deixe de haver bom jornalismo. Sério e independente.

“The Post”, de Steven Spielberg, com Meryl Streep, Tom Hanks, Sarah Paulson, Bob Odenkirk, está em exibição entre nós, em distribuição pela NOS Audiovisuais.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: