Últimas notícias

E há cem anos uma orquestra escutou o sistema solar

Texto: NUNO GALOPIM

Uma reedição em vinil de uma gravação de 1971 da suite “Os Planetas”, de Holst, pela Boston Symphony Orchestra, sob direção de William Steinberg, é a primeira abordagem a esta obra no ano em que se assinala o centená

Em 1918, perto do final da I Guerra Mundial, um conjunto de amigos e convidados de Gustav Holst (1874-1934) escutava pela primeira vez, em Londres, Os Planetas, uma suite em sete andamentos, cada qual retratando um dos planetas (excluíndo a Terra) do nosso sistema solar. Uma das mais célebres obras da década de dez, esta a suite orquestral assombrou depois, de certa forma, a vida do seu criador, sentindo este que a popularidade da obra quase ofuscou o seu restante trabalho. Essa foi talvez a razão pela qual a descoberta de Plutão, em 1930, não o levou a querer acrescentar mais um andamento, “actualizando” assim a visão então alargada da realidade que retratara alguns anos antes. Contudo, a “despromoção” recente de Plutão, faz hoje de Os Planetas, novamente, um retrato completo do sistema solar. Na verdade a visão proposta em música nasce de conceitos mais astrológicos que astronómicos. Holst fazia horóscopos a amigos e criou cada um dos andamentos de Os Planetas (cada qual sobre um planeta), reflectindo mais sobre o seu suposto efeito astrológico na mente humana que sobre as características mitológicas dos nomes a si associados. Isto para nem falar no conhecimento astronómico, que as sondas Voyager e Cassini-Huygens ainda nem sequer eram sonho…

Em plena década de dez, a música conhecia uma série de revelações e visões que contribuíram significativamente para algumas das opções que definiram muitos dos grandes caminhos seguidos mais adiante. A estreia, em 1912, d’A Sagração da Primavera, desencadeara polémica em Paris, mas abria horizontes desafiantes para a música. Da mesma época, as Cinco Peças para Orquestra de Arnold Schoenberg despertavam novas ideias. É neste contexto que o inglês Gustav Holst, colega de Vaughan Williams e em tempos fortemente influenciado pela música de Ravel, Richard Strauss e Grieg, compõe a suite pela qual o seu nome transcendeu depois o universo dos que acompanham a música clássica. Os Planetas começou por ser composto como um dueto para piano, com o andamento dedicado a Neptuno pensado para um orgão solista, pensando que a distância a que este planeta se encontra e o mistério que o envolvia não jogariam com o som do piano. A ordenação dos andamentos (Marte, Vénus, Mercúrio, Júpter, Saturno, Urano e Neptuno) sugere uma ideia de distância progressiva face à Terra (na verdade Vénus esá mais perto, mas enfim…). Neptuno, que encerra a suite, foi a primeira obra da história a ter um fim em fade out. O efeito era conseguido colocando o coro feminino numa sala adjacente, fechando lentamente a porta para a sala de concertos, até que o som distante se confundisse com o silêncio.

Em sala, Os Planetas ouve-se nas mais diversas “encenações”, desde a actuação, mais habitual, da simples e clássica orquestra a experiências multimedia com projecções em simultâneo. Há arranjos alternativos propostos, desde transcrições para piano (na verdade a forma original) ou metais até uma versão para sintetizadores, por Isao Tomita. A suite Os Planetas conquistou entretanto espaço de vida além das salas de concerto e dos discos. O cinema, por exemplo, visitou esta música muitas vezes. Há uma citação a Urano em O Regresso de Jedi e a suite, no seu todo, inspirou a banda sonora de Star Trek VI: The Undiscovered Country. Vénus ouve-se em Wallace & Gromit: A Ameaça do Coelhomem… A televisão já usou vários excertos desta suite, desde o episódio sobre Marte do Cosmos, de Carl Sagan, ao episódio Space Brain, de Espaço 1999. Esta música também já circulou por vídeojogos. E Júpiter chegou a ser usado como hino num campeonato de rubgy… Na música pop não faltam versões e citações, por nomes que vão de Rick Wakeman aos Laibach.

A primeira edição de uma interpretação da suite neste ano em que celebra o centenário da sua estreia em público chega com a reedição, em vinil, pela Deutsche Grammophon, de uma gravação histórica de 1971 pela Boston Symphony Orchestra, sob direção de William Steinberg.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: