Últimas notícias

Formas digitais

Texto: NUNO GALOPIM

Originalmente editado em 1994, “Lifeforms”, segundo álbum dos Future Sound of London, regressa agora finalmente em suporte de vinil, recordando tempos de busca por novas formas de desenho de ambientes e formas, através de ferramentas eletrónicas.

A alvorada dos anos 90 foi palco para inúmeras investidas (umas mais outras menos experimentais) pelos territórios da música electrónica. Mais do que procurar apenas texturas ou novas encenações para a exploração de padrões rítmicos assimilados entre as mais recentes tendências da música “de dança”, uma pequena multidão de músicos lançavam-se na exploração das potencialidades de novas tecnologias num processo que abarcou, para além da música, a criação de imagens e também a exploração de novas linhas de transmissão de som a grande distância. É da integração de muitas dessas novas cartas em jogo que então se abrem caminhos a novas visões e ideias, entre os músicos que então se davam a conhecer destacando-se uma série de nomes interessados em investigar caminhos por um lado próximos das heranças de uma ideia de “música ambiental” (escola Brian Eno) mas por outro interessados em não morar num patamar de contemplação próximo das periferias do silêncio, ao mesmo tempo evidenciando heranças de alguns dos primeiros experimentadores das electrónicas em terreno distinto das vanguardas (e suas periferias).

Os Future Sound Of London (FSOL), um duo constituído por Gary Cobain e Brian Dougans foram um entre os mais ativos pólos de experimentação das electrónicas na primeira metade dos noventas, formando com nomes como os de Pete Namlook, The Orb ou Aphex Twin, um espaço de invenção que então deu frutos e cativou atenções.

Estreados em 1992 com Accelerator (álbum em cujo alinhamento se destacava a presença de Papua New Guinea, tema dominado por um sample com a voz de Lisa Gerrard), voltaram a editar como FSOL após uma experiência mais “ambiental” como Amorphous Androgynous. Lifeforms, editado em 1994, é um clássico maior das electrónicas dos anos 90.

É um disco duplo, feito de uma sucessão de quadros interligados, formas em permanente evolução, melodias umas mais sugeridas outras mais desenhadas e com todo o edifício rítmico integrado na evolução das composições (e não feito matriz que define e molda uma arquitetura de sustentação). Essencialmente feito de linhas abstratas, o álbum está contudo longe de ser um espaço de improvisação e acontecimentos aleatórios, pontualmente desenhando instantes de formas mais definidas (como sucede em Cascades ou Lifeforms, inclusivamente editados então em formato de singles e com considerável reconhecimento). O álbum acolheu colaborações de figuras como Elisabeth Frazer (dos Cocteau Twins, precisamente em Lifeforms), Toni Halliday (dos Curve), Robert Fripp ou Talvin Singh e representou o episódio mais interessante da obra de um projeto que ainda hoje se encontra ativo. O disco acaba de conhecer, finalmente, uma edição em vinil.

“Lifeforms”, dos Future Sound of London, tem agora reedição em formato 2LP pela Universal.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: