Últimas notícias

A arte na era dos factos alternativos

Texto: NUNO GALOPIM

Depois da exposição que apresentou em 2017 em Veneza, Damien Hirst aprofunda a construção de uma narrativa (que corresponde também à obra) através de um documentário que relata o suposto percurso das campanhas arqueológicas submarinas que acharam um tesouro perdido.

Se a arte reflete os ecos do seu tempo, então não há melhor expressão para a era dos “factos alternativos” do que a exposição que Damien Hirst apresentou em 2017 entre as salas de dois palácios venezianos. Não havia quem meses antes o imaginasse, muito menos o próprio Hirst que mergulhara nesta ideia há já alguns anos, representando 2017 o ano em que desta sua criação emergiu, Mas quando, pouco depois da tomada de posse de Donald Trump, a sua conselheira Kellyanne Conway, justificou os números (equívocos) dados oficialmente pelo então porta-voz da Casa Branca, Sam Spicer, como sendo “factos alternativos” quando confrontados com a verdade, a ideia estava lançada: quem quiser que acredite… E foi, curiosamente, esse o mesmo motor por detrás da ideia que Damien Hirst procurou materializar nesta sua mais recente exposição.

Chamou-lhe Treasures From The Wreck of The Unbelievable e não era mais senão a apresentação de um conjunto de supostos achados numa campanha arqueológica que trouxera novamente à nota na água objetos – alguns de grandes dimensões – que supostamente teriam naufragado no tempo dos romanos. O navio, o Apistos (ou seja, o “inacreditável”) levaria a bordo tesouros adquiridos por Cif Amotan II, um antigo escravo (que conquistara a liberdade) e que iriam integrar a construção de um templo.

A exposição em Veneza, Palazzo Grassi e no Punta Della Dogana, representou uma das faces de um projeto que levou dez anos a conceber e a materializar. Uma outra está agora disponível via Netflix na forma de Treasures From The Wreck of The Unbelievable, um filme de Sam Hobkinson que sublinha a ficção que se conta. Trata-se, por isso, de um “mockumentary”, ou seja, um falso documentário. Ou, se preferirem, uma ficção que usa a linguagem do cinema documental. Seguindo as pistas habituais em programas televisivos sobre descobertas arqueológicas submarinas, o filme começa por nos apresentar protagonistas das campanhas (muitos deles são atores), fazendo de Hirst o “mecenas” que resolve dar a mão a uma missão sem fundos.

Acompanhamos depois situações que, entre sequências a bordo do navio e outras captadas por mergulhadores, nos vão relatando, a par e passo, a progressiva descoberta do tesouro afundado. Pelo caminho há planos com entrevistas, a de Hisrs acabando, nas entrelinhas, de lançar o discurso que sustenta esta criação. O filme, narrativamente bem estruturado e tecnicamente competente, termina com imagens das exposições, sublinhando o tom de provocação que habita a alma desta criação ao mostrar imagens de uma figura retirada entre as demais peças afundadas com a forma de, nada mais, nada menos, que o rato Mickey. No fim, acredite quem quiser…

“Treasures From the Wreck of the Unbelivable”, de Sam Hobkinson, está disponível no Netflix.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: