Últimas notícias

Quando a ficção habita perto da realidade

Texto: DIOGO SENO

“Lady Bird”, de Greta Gerwig, que agora chega a Portugal, é daquelas coisas raras na ficção: uma personagem que poderia muito bem saltar do ecrã e sentar-se ao nosso lado na sala de cinema.

Um dos encantos, talvez o maior encanto, de Greta Gerwig enquanto actriz é a forma como equilibra seriedade e leveza, sublinhando com ironia a “auto-importância” de um certo tipo de “juventude”. O que a distingue de Lena Dunham, mas mesmo assim a mantêm na descendência de um Woody Allen, por exemplo, é a compaixão que impede a ironia de se transformar em hipocrisia. Gerwig põe-se do lado das personagens, não acima delas.

Daí que não espante que o ponto forte da sua estreia enquanto realizadora seja a sua atenção ao elenco de personagens. Naturais e “exageradas”, elas devem ao cinema do citado Allen, ao de John Hughes, mas também ao dos realizadores com quem Gerwig tem trabalhado, nomeadamente Noah Baumbach. O tom das cenas cómicas deve igualmente a estes realizadores, mas com um aspecto que deve ser salientado: a “perspetiva” feminina por trás da câmara. Actriz a dirigir outra actriz, criou uma personagem feminina que, em idiossincrasia e charme, não deve aos “alter egos” de outros realizadores. Esta dimensão que parece autobiográfica encontra-se em vários aspectos do filme que são imbuídos de especificidade, sendo o principal o cenário. Sacramento, a cidade natal de Lady Bird, foi também a de Gerwig. Este é um filme com um sentido de lugar mais forte que outros dos que surgiram na categoria de melhor filme que nomeiam o seu espaço no título (o de Martin McDonagh, por exemplo…).

Christine, que num gesto de rebeldia mudou o nome pelo qual responde para Lady Bird, é a adolescente prototípica, à qual Saoirse Ronan dá a espessura dramática e o carisma, e que muito justamente seria reconhecida com o seu primeiro Oscar para melhor interpretação (à terceira nomeação e apenas com 24 anos). Está bem acompanhada por Laurie Metcalf, a mãe, numa obra que é tanto sobre a passagem da adolescência à idade adulta como sobre a “relação” entre mães e filhas (outro aspecto que pode ter a sua dimensão autobiográfica). Nessa qualidade o final é, ao mesmo tempo, honesto e comovente, por deixar esta relação complexa “resolver-se” de forma agridoce.

Talvez por realizadora e actriz estarem ainda perto da idade da personagem o trabalho de criação e composição desta tenha tido este resultado. Certo é que Lady Bird é daquelas coisas raras na ficção: uma personagem que poderia muito bem saltar do ecrã e sentar-se ao nosso lado na sala de cinema.

Anúncios

1 Comment on Quando a ficção habita perto da realidade

  1. Linda resenha. Estou morrendo de vontade de ver esse filme.
    Beijos

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: