Últimas notícias

Um dos tesouros mais bem guardados do cinema dos anos 70

Texto: JOSÉ RAPOSO

Disponível em DVD, “Girlfriends”, que assinalou a estreia da documentarista Claudia Weill na longa-metragem de ficção, é apontado como referência tanto por Lena Dunham, a criadora e uma das protagonistas da série “Girls”, e Greta Gerwig, a realizadora de “Lady Bird”.

Será um dos tesouros mais bem guardados do cinema dos anos 1970: uma história ambientada em Nova-Iorque, essa neurose contemporânea em forma de cidade, filmada com um olhar documental e minucioso, com uma sensibilidade e disponibilidade para as relações humanas que se desenvolvem e respiram no espaço precioso da intimidade. No contexto do cinema da década é um filme de alguma singularidade: realizado por uma mulher, Claudia Weill, que aqui se estreou na longa-metragem (oriunda do documentário, campo onde ganhou notoriedade, não teve uma carreira no cinema particularmente extensa – para além deste Girlfriends realizou apenas mais uma longa, que juntava Michael Douglas e Jill Clayburh numa narrativa à volta das tensões entre casamento e carreira), Girlfriends conta-nos a história de Susan e Anne, duas amigas que partilham casa e que tentam construir as suas vidas de forma autónoma e independente. Weill é imensa na forma como se debruça sobre a natureza complexa da amizade. Situando o enredo num arco temporal relativamente curto, traça uma ampla perspectiva desse conflituoso processo de cristalização da identidade pessoal à luz do mais sincero dos desejos – no caso de Anne o casamento e a vida em família; uma carreira artística centrada no universo da fotografia no caso de Susan.

Um dos aspectos mais vincados e aplaudidos do filme está no cruzamento entre esses anseios mais ou menos profundos e sentidos, e as expectativas próprias da idade – pejadas de desilusões, passos em falso, enfim, de tropeções a caminho da maturidade. E isto com o espírito de uma época e de um local sempre presentes. Mais do que problematizar o casamento enquanto “instituição” ou de analisar em profundidade a precariedade do artista em começo de carreira – é certo que a lente de Weill também acaba por tocar nestas questões, mas estas acabam por surgir num plano relativamente secundário – Weill procura centrar a história nas marcas que as decisões da vida pessoal de cada uma deixam invariavelmente na amizade. O enredo, aliás episódico e fragmentado, começa justamente a ganhar forma com o confronto de Susan perante uma vida mais solitária e desamparada, após a decisão tomada por Anne em ir viver com o seu futuro marido.

Se tudo isto, passados mais de 30 anos desde a estreia, nos parece vagamente familiar, tal deve-se em larga medida ao grau de influência que a obra foi capaz de exercer ao longo dos tempos, tendo atraído personalidades como Lena Dunham, a criadora e uma das protagonistas da série Girls, que não só lhe reconheceu um papel importante no desenho do seu próprio imaginário, como acabou mesmo por convidar Weill para a realização de um episódio da série; ou Greta Gerwig, realizadora de um Lady Bird (ainda em exibição em sala) que parece fazer algum eco do filme de Weill na forma como olha para a amizade de duas adolescentes – a mesma Gerwig que de Girlfriends, numa edição da revista Sight & Sound dedicada a mulheres realizadoras, afirmava ter ficado com a sensação de ser um filme realizado só para ela.

“Girlfriends” está disponível em DVD em edição pela Warner Archive Collection.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: