Últimas notícias

Duran Duran: a integral dos singles (1982 – parte 4)

Texto: NUNO GALOPIM

2018 celebra a passagem de 40 anos sobre a formação dos Duran Duran, nascidos em Birmingham em 1978. A assinalar a data vamos revisitar a integral da sua discografia de singles e EPs… Discos para revisitar, aos poucos, um a um, agora já em 1982.

“Carnival EP”

A estratégia da EMI para sublinhar o afastamento dos Duran Duran do movimento neo romântico do qual haviam nascido, procurando assim assegurar a sua sobrevivência e maior projecção global passou pela aposta numa afirmação do grupo como uma nova força na música de dança. Daí a ideia de, em finais do verão de 1982, ter lançado um EP que recolhesse remisturas de canções do álbum Rio, tornando-as candidatas a morar nas pistas de dança da rentrée, assim como assegurando eventual nova passagem pelas rádios aos temas de um álbum que então somava já alguns meses de vida.

Por detrás do EP está David Kershenbaum, produtor com credenciais na música de dança que assegurou a remistura dos temas mais dançáveis do álbum, não apenas com o EP em vista, mas também para os máxi-singles entretanto editados e, inclusivamente, uma versão susbtancialmente remisturada do próprio álbum Rio, que a Capitol lançou depois no mercado norte-americano.

Carnival foi apenas lançado em cinco países (EUA, Holanda, Espanha, Japão e Taiwan), para cada edição a EMI tendo apostado em capas e alinhamentos distintos. A melhor colecção de remisturas é a que se apresenta na edição japonesa (capa que ilustra o post), cujo alinhamento foi mais tarde integralmente editado em CD num álbum duplo lançado pela Toshiba EMI. A edição japonesa juntou uma remistura de New Religion às de Hold Back The Rain, Hungry Like The Wolf, Rio e My Own Way ou mesmo Planet Earth ou Girls On Film (do álbum de 1981) das outras edições.

A edição holandesa apostou numa capa branca, com fotos de 1982 dos cinco elementos do grupo. O alinhamento divide atenções entre os temas desse ano e a memória do ano anterior, como que sugerindo o melhor da história “dançável” dos Duran Duran até então. Juntam-se aqui as Night Versions de Rio, Hungry Like The Wolf e Planet Earth com uma versão alternativa de Girls on Film. A versão espanhola de Carnival apresentava essencialmente num alinhamento semelhante à deste EP holandês. A principal diferença residiu na capa, com a (habitual) tradução dos títulos das canções para castelhano.

A edição norte-americana, que foi também editada no Canadá, foi a comercialmente mais bem sucedida de todas e chegou a marcar entrada na tabela de álbuns mais vendidos por uma semana (no número 98). O alinhamento aposta essencialmente nos temas mais dançáveis de Rio. Ou seja, Hungry Like The Wolf na remistura do maxi-single lançado alguns meses antes, My Own Way e Hold Back The Rain em novas misturas. E, para recordar 1981, Girls On Film (Night Version).

Edição europeia:

Lado A: Hungry Like The Wolf (Night Version) + Rio (Night Version)
Lado B: Planet Earth (Night Version) + Girls On Film (Night Version)

Edição japonesa:

Lado A: Rio (Pt. II) + Hold Back The Rain (Re-Mix) + My Own Way
Lado B: Hungry Like The Wolf (Night Version) + New Religion

Edição americana:

Lado A: Hungry Like The Wolf + Girls On Film
Lado B: Hold Back The Rain + My Own Way

“Hungry Like The Wolf”

Editado em Maio de 1982, Hungry Like The Wolf foi o definitivo cartão de visita para os Duran Duran no mercado norte-americano e, consequentemente, a peça-chave para o início de uma etapa de popularidade global que lhes deu sucessivos êxitos de primeiro plano até meados de 1985. O êxito do single deveu muito à aposta nele feita pela MTV que, recentemente inaugurada, encontrou no luxuriante teledisco que acompanhava a canção, um dos seus primeiros sucessos (o teledisco é o 15º mais rodado da história da estação televisiva).

Uma das mais populares canções dos Duran Duran, Hungry Like The Wolf nasceu, na verdade, de uma experiência com nova tecnologia, numa tarde da Primavera de 1982, no estúdio da cave da sede londrina da EMI. Ao manipular uma caixa de ritmos Roland 808, um sequenciador e um teclado Roland Jupiter 8, o grupo acabou por criar uma base à qual rapidamente acrescentaram uma linha de guitarra herdeira de Marc Bolan, baixo e bateria. A letra, escrita por Simon Le Bon, inspirada no conto do Capuchinho Vermelho, foi escrita ao fim da tarde. E, num dia, a canção estava pronta, sendo depois regravada, nos Air Studios, com o produtor Colin Thurston.

A popularidade do single justificou as inúmeras versões dele já gravadas ou apresentadas em concerto, por nomes que vão das Hole e Incubus aos Gnarls Barkley. No lado B do single foi incluída a primeira gravação ao vivo da discografia dos Duran Duran: Careless Memories, captada em Dezembro de 1981 num concerto no Hammersmith Odeon, em Londres. O single foi o segundo top 5 dos Duran Duran no Reino Unido e, apesar de ignorado na sua primeira edição americana, ao ser relançado em Dezembro de 1982 atingiu o top 3 nos EUA.

O teledisco de Hungry Like The Wolf é um dos mais representativos da videografia do grupo e um dos mais recordados da pop de 80. Foi o primeiro de três telediscos filmados no Sri Lanka, na Primavera de 1982, com Russel Mulcahy na realização. Pensado à imagem dos ambientes de Os Salteadores da Arca Pedida, de Steven Spielberg, usa os elementos do grupo numa breve narrativa de acção entre a selva, um rio, um mercado ao ar livre e as ruas de uma cidade. Nick Rhodes tem presença fugaz no teledisco, uma vez que ficou em Londres a terminar as misturas do álbum Rio, tendo-se juntado aos quatro outros elementos do grupo já na recta final das filmagens.

Single 7″

Lado A: Hungry Like The Wolf
Lado B: Careless Memories (live version)

Máxi-single 12″

Lado A: Hungry Like The Wolf (Night Version)
Lado B: Hungry Like The Wolf + Careless Memories (live version)

Edição americana

Lado A: Hungry Like The Wolf
Lado B: Hungry Like The Wolf (remix)

Edição japonesa

Lado A: Hungry Like The Wolf = ハングリー・ライク・ザ・ウルフ (狼のように飢えて)
Lado B: Careless Memories (Live Version) = ケアレス・メモリーズ (ライヴ・ヴァージョン)

“Save a Prayer”

O sexto single dos Duran Duran revelou o primeiro sucesso global do grupo no formato da balada, registo que lhes daria, 11 anos depois, um dos outros êxitos transversais da sua obra, Ordinary Word. Canção relativamente longa para os três minutos habituais no panorama pop de inícios de 80 (a versão do single dura 5’25”), Save a Prayer é exemplo claro do tom sofisticado, claramente influenciado por um sentido de elegância escutado nos Roxy Music de finais de 70, que caracterizou o álbum Rio.

Foi o primeiro single do grupo a ser lançado numa etapa em que a sua exposição mundial deles fazia então o grupo pop mais popular do mundo. Para espanto do grupo e editora, não lhes deu (ainda) o primeiro número um em Inglaterra (o single acabou “bloqueado” por Eye of The Tiger)… Curiosamente, acabou por não ser editado nos EUA, apesar do single ter sido muitas vezes rodado na MTV. A edição de Save a Prayer como single nos EUA só aconteceria em inícios de 1985, numa versão ao vivo.

A canção tornou-se num clássico do seu tempo e é um dos originais dos Duran Duran com mais versões gravadas, das visão mais “convencional” de Tony Hadley à abordagem radical dos Shut Up And Dance. É também citada em canções de nomes como os U2 e Arctic Monkeys. No lado B do single foi incluída uma versão remisturada de Hold Back The Rain, faixa que na versão original surgiu no álbum Rio. Este tema, que chegou a ser usado pela NASA para acordar os astronautas do Space Shuttle cuja reentrada na Terra fora travada, nos dias anteriores, pela chuva intensa sobre a base aérea onde a nave deveria aterrar, foi já descrito em várias ocasiões como o single “perdido” desta etapa na obra do grupo.

O teledisco de Save a Prayer, realizado por Russel Mulcahy, é um dos três que, na Primavera de 1982, o grupo rodou no Sri Lanka (juntamente com os de Hungry Like The Wolf e Lonely In Your Nightmare). As imagens sugerem um tom contemplativo, atento à paisagem (natural e arqueológica), interrompendo apenas os olhares sobre o espaço em volta para sugerir, numa sequência, a história de one night stand de que a letra fala. Um frame do teledisco foi usado como imagem da capa do single.

Single

Lado A: Save a Prayer
Lado B: Hold Back The Rain (remix)

Máxi-single

Lado A: Save a Prayer
Lado B: Hold Back The Rain (remix)

“Rio”

O último single extraído do álbum Rio correspondeu ao seu tema título e contribuiu para a confirmação do estatuto global que o grupo conquistara em 1982. A canção é hoje sobretudo recordada como banda sonora de um dos mais emblemáticos telediscos do grupo, no qual a banda surge a bordo de um iate em pose jet set, vestindo fatos de Anthony Price.

A canção abre com uma sequência de ruídos, criados em estúdio por Nick Rhodes, na verdade nada mais que a gravação de uma série de varetas de metal lançadas sobre as cordas de um piano… Daí cresce uma canção pop, com presença protagonista do saxofone numa sequência instrumental perto do final. Editado como single em novembro de 1982, Rio deu mais um top ten britânico ao grupo (atingiu o nº 9). Nos EUA, depois da descoberta da canção pelos DJs no alinhamento do EP Carnival, o single de Rio foi lançado já em março de 1983, aí atingindo o nº 14.

Em Portugal, Rio foi o único single da discografia “canónica” dos Duran Duran entre 1981 e 83 a não conhecer edição local. A canção surgiu, entre singles, máxis e álbuns em diversas misturas, somando um total de 16 versões! O single oficial (o inglês) incluiu no lado B uma versão acústica de The Chauffeur. No máxi single (cuja capa ilustra este post) eram incluídas, além de uma remistura do tema principal – rebaptizado como Rio (Part 2) – a demo de The Chauffeur (Blue Silver) e ainda uma nova versão de My Own Way.

O teledisco de Rio foi um dos dois (juntamente com Nightboat) que Russel Mulcahy rodou com os Duran Duran em Antígua, na Primavera de 1982. Um iate é cenário central para uma série de planos que mostram os membros do grupo em situações com algum humor e uma bizarra e garrida figura feminina. O vídeo foi filmado em três dias e, esgotado o filme, o realizador teve de pedir um bobine emprestada a um turista para rodar a cena com o saxofonista sobre uma jangada improvisada. Esse momento era suposto sugerir que o saxofonista estaria perdido em alto mar. Mas o rebentamento de uma pequena onda mostra que estava a centímetros da areia…

Single

Lado A: Rio
Lado B: The Chauffeur (Blue Silver)

Máxi-single

Lado A: Rio (Part 2)
Lado B: My Own Way + The Chauffeur (Blue Silver)

Single japonês

Lado A: Rio = リオ
Lado B: The Chauffeur (Blue Silver) = ザ・ショーファー

Single americano

Lado A: Rio
Lado B: Hold Back The Rain

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: