Últimas notícias

A arte de desafiar (e bem) uma velha tradição

Texto: NUNO GALOPIM

Pode o flamenco ser ponto de partida para um dos melhores discos de canções pop que vamos ouvir este ano? Pode sim… E a resposta chega com “El Mal Querer”, segundo álbum de Rosalía pelo qual passam sinais de um discurso de identidade que traduz o que é viver na aurora do século XXI.

Se as barreiras que outrora separavam (para alguns) os espaços de diferentes géneros musicais já caíram por terra o mesmo se pode dizer das que poderiam também afastar tempos e tradições. Tudo comunica. Tudo se cruza. Que o diga esse vasto espaço a que podemos chamar ‘global club music’ (ou a variação que entendermos dar a esta ideia) pelo qual sons, ritmos e experiências de vários lugares, em alguns casos convocando ecos de tradições locais, se juntam e dançam perante uma plateia sem fronteiras, servindo aqui as eletrónicas de língua franca que assegura as mais fluentes formas de diálogo. Tal como nestes territórios acima das culturas e das geografias pelos quais se tem afirmado uma nova música de dança que traduz a idade da comunicação global também as investidas locais mais focadas sobre este ou aquele universo claramente ligado a grandes tradições procura modos de encontrar caminhos de diálogo. E se aqui as geografias são mais localizadas (embora com gosto por se dar a ouvir tanto ali mesmo como mais longe) já os diálogos são desenhados em pontes que cruzam tempos, agitando tradições e nelas encontrando formas de expressar contemporaneidade. E curiosamente chegamos ao fim com uma música que pode servir de contraponto aos desígnios da ‘global club music’. É que se essa música junta peças de muitos lugares procurando, apesar das referências citadas, transcender a origem para encontrar, sobretudo para quem está na pista de dança, um patamar global comum, já nos territórios de exploração de tradições mais localizadas surgem vozes que, partilhando ferramentas comuns, procuram cantar marcas de identidade. É o que acontece com Rosalía que, no seu segundo álbum editado há poucos dias, mostra como o flamenco lhe serve para a ajudar a afirmar identidade e, ao mesmo tempo, através de si, sob novos desafios, sugere pistas que podem cativar mesmo quem até aqui não tenha sequer nunca passado por esses lugares da tradição cultural do sul de Espanha.

Há desde logo um elemento curioso nesta história. Rosalía Vila Tobella nasceu na Catalunha, facto que afirma uma verdade identitária que não é necessariamente de berço e sangue mas, antes, de vivência, de gosto, de demanda pessoal. Afinal vivemos no século XXI, certo? E Rosalía não chegou a “El Mal Querer” num desafio às leis da física que nos dizem que não se vai automaticamente dos zero aos cem quando se está a conduzir um automóvel na estrada (e curiosamente há neste seu novo disco um tema que usa samples do som de carros). Houve um percurso, que passou por colaboradores com história feita no universo do flamenco (fez primeiras partes para Miguel Poveda, por exemplo) e em 2017 o álbum “Los Angeles” dava já sinais de procura de desafios possíveis com o flamenco como ponto de partida… Não faltou desde logo quem contestasse as suas investidas, o que me fez lembrar como, por estes lados, houve quem acolhesse com desconforto um “Povo Que Lavas No Rio” na voz de António Variações ou o visionário “Amai” de Paulo Bragança, ambos ensaiando então como partir do fado para dialogar com a modernidade pop.

“El Mal Querer”, que propõe uma experiência concetual (cada canção corresponde a um episódio de uma narrativa ordenada), revela uma visão atual e desafiante sobre o flamenco. E tanto mantém marcas da sua genética tradicional – sobretudo no canto, na guitarra e do desenhar da estrutura rítmica pelas palmas – como junta modos de compor, de usar eletrónicas (como recurso instrumental ou de manipulação) ou até mesmo a presença pontual de uma orquestra para procurar os diálogos entre tradição e modernidade, entre o flamenco e a canção pop dos quais emerge um álbum que dificilmente escapará às listas dos melhores do ano. É um disco intenso, capaz de convocar toda a carga emotiva que habita o flamenco para a projetar num espaço que, sem apagar essas marcas de origem, as projeta entre sonoridades e formas que estão na linha da frente da música do nosso tempo.

Mas convenhamos que “El Mal Querer” Rosalía está longe de ser uma pedrada no charco… Porque antes houve já investidas de modernidade pop pelo flamenco. É espaço que conheço mal mas lembro-me de “Qien Maneja Mi Barca”, a canção que a veterana Remedios Amaya levou em representação de Espanha à edição de 1983 do Festival da Eurovisão… Flamenco com sintetizadores e uma poderosa linha de baixo? Sim… E era incrível… Saiu de lá com zero pontos, o que mostra como por vezes um dos problemas maiores do concurso não são as canções mas o gosto de quem nelas depois vota… Mas isso é conversa para outra ocasião. Hoje ficamos com Rosalía e um dos melhores discos que vamos escutar este ano.

“El Mal Querer”, de Rosalía, está disponível em LP, CD e nas plataformas digitais numa edição da Columbia/Sony Music ★★★★★

PS. A capa e o inlay do disco exploram uma imagem desafiante que junta assim um outro patamar de ousadia à visão de Rosalía. Confesso que prefiro a música. A coisa vai aí do mais estafado Pierre & Gilles à memória camp de uns Army Of Lovers. Admito que seja mais uma voz (esta visual) a juntar ao coro de desafios aqui em jogo. E por isso faz sentido. Mas parece-me mais interessante o trabalho visual nos telediscos…



E já agora, para quem não conhecia a canção de Remedios Amaya, aqui fica um “recuerdo”…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: