Últimas notícias

Histórias de vulcões, segundo Herzog

Texto: NUNO GALOPIM

40 anos depois de ter rumado à cidade no sopé do monte La Soufrière, quando se esperava uma erupção, Werner Herzog volta a fazer um filme sobre vulcões, reparando que a cada um que visita está associado um sistema de crenças.

Não é a primeira vez que vemos sinais do fascínio que os vulcões exercem sobre Werner Herzog. Nos anos 70, quando uma ordem de evacuação (que depois levantou celeuma) foi dada sobre uma cidade no sopé do vulcão La Soufrière, na ilha de Basse Terre (Guadalupe, nas Antilhas), Herzog e dois operadores de câmara rumaram ao local de onde todos tinham fugido para, mais do que filmar um vulcão, olhar uma cidade fantasma naquelas que poderiam ser as suas últimas imagens. A coisa não seria bem assim… A erupção, apesar dos indícios que a faziam adivinhar, acabou por não se dar, pelo que a cidade em breve regressaria à azáfama.

O filme, uma curta de 29 minutos a que chamou simplesmente La Soufrière, não deixou mesmo assim de nos dar um retrato do vazio que fica quando a ameaça nos visita. Um vazio feito de ruas desertas e casas fechadas, apenas visitado por cães famintos e pelo único habitante que, na hora da evacuação decretada, se recusara a sair (e que foi na verdade a razão pela qual Herzog ali rumou para filmar), que encontram deitado a dormir encostado a uma árvore e que, sem vontade de conversar, desata a cantar para a câmara como quem diz: deixem-me na minha música, sigam a vossa…

Essa memória da curta metragem de 1977 surge a dada altura entre as que Herzog captou para Into The Inferno, um novo documentário produzido pelo Netflix e que ali está já disponível. Tal como no filme sobre o vulcão La Soufrière, o realizador não parte aqui em busca dos factos da geologia, como o faria um filme de Haroun Tazieff, o célebre vulcanólogo francês que captou algumas das mais incríveis imagens de erupções. As relações que as populações locais criam com os “seus” vulcões, sugerindo frequentemente ligações num plano místico, são na verdade a alma deste filme. Todavia, e para que saibamos o que vemos, e até para que o próprio Herzog possa estabelecer pontes entre a ciência e a crença, há aqui, além dos vulcões e do realizador um terceiro protagonista. Trata-se do vulcanólogo britânico Clive Oppenheimer, um magnífico comunicador a quem poderia ser entregue uma série televisiva sobre estes temas.

É com eles que caminhamos entre vulcões ativos na Indonésia, Etipóia, Islândia e Coreia do Norte. Sim, Coreia do Norte… Numa rara ocasião de filmagens autorizadas, naturalmente sob a presença de um intérprete e um historiador que conseguem afunilar todas e quaisquer referências (seja do grande vulcão que filmam às populações que o visitam) à ideologia do regime, que Herzog nota ter qualquer coisa de religioso na forma de estabelecer um relacionamento com os seus líderes.

O filme coloca-nos por vezes na orla de crateras, com lagos de lava logo mais abaixo, torrentes a uma velocidade impressionante, mostrando por vezes a câmara momentos de contemplação pelas formas que a natureza gera por si mesma. Depois é ao escutar o vulcanólogo (que alerta para algumas técnicas de monitorização hoje em prática) e aqueles que a equipa de rodagem vai encontrando pelo caminho, que Herzog tece um retrato de um relacionamento que envolve respeito e algum medo, conhecimento e crença, ciência e misticismo. De certa forma definindo, apesar de partir de objetos diferentes, um olhar com grande afinidade para com aquele que nos deu a ver no brilhante A Caverna dos Sonhos Esquecidos.

E que bom que é, depois daquela medíocre Rainha do Deserto, ver Herzog de regresso ao terreno onde mais tem brilhado nos últimos anos!

Advertisements

1 Trackback / Pingback

  1. Isto anda tudo ligado – Máquina de Escrever

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: