Últimas notícias

Crónicas de um rapto

Texto: NUNO GALOPIM

O canadiano Guy Delisle partiu do relato verídico de um técnico de uma ONG raptado em 1997 para nos dar em “S’Enfuir – Récit d’un Otage”, um olhar sobre os medos, esperas e silêncios dos 111 dias em que o protagonisa esteve sequestrado.

A longa história de um cativeiro de 111 dias, vivido por um técnico financeiro que prestava serviço numa ONG no Cáucaso em 1997 habita o tutano das mais de 400 páginas da mais recente obra do canadiano Guy Delisle (o mesmo de Pyongyang – Uma Viagem à Coreia do Norte). E, S’Enfuir – Récit d’un Otage, que se baseia nas memórias do relato do próprio protagonista, que o autor conheceu por volta do ano 2000, é uma crónica mais de silêncios, de esperas, de dúvidas e medos do que uma trama de ação ou até mesmo de alma geopolítica. Ser raptado é pior do que ser prisioneiro, diz-nos o protagonista nesta crónica desenhada de Delisle. Até porque o preso sabe porque ali está e até quando ali fica. Ao passo que ao raptado resta contar os dias, sem saber exatamente quando tudo irá terminar. Ou, até mesmo, como irá terminar.



S’Enfuir – Récit d’un Otage segue à risca essa ideia. E depois de nos mostrar o momento do rapto e transporte do sequestrado para lá da fronteira, coloca-nos nos vários quartos nos quais vai sendo encarcerado, de pulso agrilhoado com algemas a um aquecedor ou o que mais de sólido ali houver por perto, restando-nos acompanhar, com ele, o minimalismo do quotidiano que lhe é dado a conhecer numa sucessão monótona de dias em que, além das pausas para comer, ir à casa de banho, ocasionalmente com direito a lavar-se, pouco mais acontece.

Delisle é magnífico ao sugerir a lentidão da passagem do tempo. Numa das sequências a evolução da luz solar nas paredes do quarto é tudo o que vemos. Nós e o raptado. Vivemos depois a sua contagem dos dias, os pensamentos, os medos. E, a dada altura, as histórias de batalhas das campanhas de Napoleão que conta a si mesmo para passar o tempo. A sopa, é rotina minimalista. Mas quando tem um sabor diferente, traz momentos de raro prazer. Os ruídos, nas salas contíguas ou no exterior são presença contínua, mas nunca clara… Os raptores ora o visitam mudos, ora gritam numa língua que o raptado não compreende. Ocasionalmente convidam-no para ver televisão. Por vezes há mais gente em casa… Mas ao fim do dia volta a deitar-se no seu mundo: um colchão, uma algema, o silêncio ao seu redor e um sonho apenas: sair dali. Que filme que daqui poderia nascer!

“S’Enfuir – Récit d’un Otage”, de Guy Guy Delisle, é um volume de 432 páginas, publicado pela Dargaud.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: