Últimas notícias

Este Morrissey não é de ninguém

Texto: GONÇALO COTA

A primeira longa-metragem de Mark Gill, o biopic “England is Mine”, apresenta algumas preposições relacionais-vivenciais que pintam a personalidade particular de Morrissey: o problema é que o quadro final tem tons demasiado insossos e banais.

“Ever get the feeling you’ve been cheated?”. Estamos no ano de 1976 e as palavras de Johnny Rotten, vocalista dos Sex Pistols, ressoam pela Lesser Free Trade Hall, em Manchester, certamente sem a perceção de que o concerto que terminara momentos antes iria ajudar a escrever o futuro da cena musical da cidade e, como consequência, toda a história da música daí em diante. Da parca assistência fizeram parte nomes como os de Ian Curtis, Bernard Sumner, Peter Hook – que fazem nascer muito pouco tempo depois Warsaw, que mudariam adiante o nome para Joy Division – ou um jovem de 17 anos, de seu nome Steven Patrick Morrissey, que podemos ver, numa das cenas iniciais do filme, a escrevinhar de forma fervorosa sobre este concerto dos Sex Pistols. É a mítica carta publicada no New Musical Express (NME), que fala dos Sex Pistols como “discordant music and barely audible audacious lyrics”, terminando o texto a afirmar: “I’d love to see the Pistols make it. Maybe then they will be able to afford some clothes which don’t look as thought they’ve been slept in.” À lá Morrissey, convenhamos.

O maior problema do filme é na verdade, esse: a dificuldade em construir um jovem Morissey, aqui interpretado por Jack Lowden, que congregue e vista bem a personalidade muitas vezes irascível e tempestuosa. Chega mesmo a invertê-la para um retrato pobre e pouco genuíno de um jovem que se revolta pouco com a opressão estabelecida pela ordem social, pelo regime capitalista e monárquico – Morrissey revisitou musicalmente, numa alusão aos filmes britânicos dos anos 50 e 60, inspirados no realismo social kitchen sink drama -, ganhando apenas algum empoderamento devido a uma sucessão de discursos paternalistas e sentimentalistas da moldura relacional feminina que o envolve.

Os registos diarísticos, nos quais se inscrevem os sonhos pop e a profunda compreensão das contradições entre a sua posição social e o próprio génio musical ou a agravante da depressão pós-término dos The Nosebleeds permitem dar uma maior amplitude à narrativa que, contudo, facilmente desagua num clímax atafulhado e desinteressante, com referências demasiado subtis à formação dos Smiths, como o concerto de Patti Smith no qual Morrissey conhece Johnny Marr ou a Iron Bridge, paisagem imagética de Still Ill, onde se pode ouvir “England is mine, it owes me a living”, servindo assim mote para o título do filme.

Apesar da inspiração poética de Oscar Wilde, e das referências interessantes que são feitas, ou a seleção cuidada da banda sonora, onde se incluem os The New York Dolls (o grande fascínio glam rock de Morrissey, de que foi presidente e fundador do clube de fãs), Marianne Faithfull ou Roxy Music, que quase colmatam a ausência de cantores-chave como David Bowie ou Sandie Shaw, que em 1984 colaboraria com The Smiths, numa versão de Hand in Glove (com I Don’t Owe You Anything no lado B), nada parece suficiente para aliviar a sensação constante de estarmos a assistir a um filme domingueiro e banal.

“England is Mine”, de Mark Gill, com Jack Lowden, Jessica Brown Findlay, Emma Roberts e Laurie Kynaston.

1 Comment on Este Morrissey não é de ninguém

  1. Olha… Tive o mesmo sentimento ao ver esse filme…faltou muuuuito pra chegar no Morrissey que conhecemos.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Laureni Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: